Características do acesso de crianças com microcefalia aos serviços de fisioterapia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i4.4147

Palavras-chave:

Acesso aos serviços de saúde, Reabilitação, Microcefalia, Fisioterapia

Resumo

INTRODUÇÃO: A "síndrome congênita do Zika" compreende um conjunto de sinais e sintomas apresentados por crianças nascidas de mães infectadas durante a gestação. Os RN acometidos por microcefalia apresentam alterações no desenvolvimento neuropsicomotor, assim, o processo de reabilitação torna-se fundamental para o desenvolvimento das crianças. OBJETIVO: Nessa perspectiva, faz-se necessário considerar o acesso em seu domínio amplo, e compreender as características do acesso de crianças com microcefalia nascidas nos anos de 2015 e 2016 aos serviços de fisioterapia. MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal, de abordagem quantitativa, com caráter descritivo. Utilizou-se um questionário validado por quatro especialistas, coletando informações acerca da caracterização socioeconômica e clínica, identificação do tempo entre o encaminhamento das crianças e sobre as características do acesso à reabilitação. RESULTADOS: A amostra deste estudo foi composta por 103 cuidadores de crianças com microcefalia. Observou-se que 93,2% das crianças tiveram encaminhamento para procurar o serviço de fisioterapia e buscaram atendimento, entretanto, nem todas as crianças mantiveram-se em reabilitação. As crianças que tiveram acesso continuado e as que descontinuaram o cuidado em algum momento apresentavam-se de forma semelhante no que diz respeito à frequência de tratamento, realização da fisioterapia em mais de um serviço, tempo de duração da sessão, despendimento de pagamento para exames e interferência na atividade profissional com o tratamento da criança. CONCLUSÃO: As que se mantiveram em acesso sem interrupções, possuíam um auxílio maior do município para deslocamento, além da oportunidade de assistência da rede de apoio ao cuidador, potencializando a manutenção do cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Menezes HLSM, Pacheco JN, Tomal NR, Guedes VR. Zika virus associated with microcephaly. Rev Pato Tocantins [Internet]. 2016;2(3):32-45. Available from: https://betas.uft.edu.br/periodicos/index.php/patologia/article/download/1991/pdf

Von Der Hagen M, Pivarcsi M, Liebe J, Von Bernuth H, Didonato N, Hennermann JB, et al. Diagnostic approach to microcephaly in childhood: a two-center study and review of the literature. Dev Med Child Neurol. 2014;56(8):732–41. https://doi.org/10.1111/dmcn.12425

Dantas KO, Neves RF, Ribeiro KSQS, Brito GEG, Batista MC. Repercussions on the family from the birth and care of children with multiple disabilities: a qualitative meta-synthesis. Cad. Saúde Pública. 2019;35(6):e00157918. https://doi.org/10.1590/0102-311X00157918

Tôrres AKV, Sarinho SW, Feliciano KVO, Kovacs MH. Organizational access to motor rehabilitation for children with cerebral paralysis in the city of Recife. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. 2011;11(4):427-36. https://doi.org/10.1590/S1519-38292011000400009

Travassos C, Viacava F. Access to and use of health services by rural elderly, Brazil, 1998 and 2003. Cad Saúde Pública. 2007;23(10):2490-2502. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007001000023

Travassos C, Castro MSM. Determinants and social inequalities in access to and use of health services. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JS, Carvalho AI. Políticas e sistema de saúde no Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2012. p. 183-206.

Marinho F, Araújo VEM, Porto DL, Ferreira HL, Coelho MRS, Lecca RCR, et al. Microcephaly in Brazil: prevalence and characterization of cases from the Information System on Live Births (Sinasc), 2000-2015. Epidemiol Serv Saude. 2016;25(4):701-12. https://doi.org/10.5123/S1679-49742016000400004

Adegoke BOA, Adenuga OO, Olaleye OA, Akosile CO. Quality of life of mothers of children with cerebral palsy and their agematched controls. African J. Neurol. Sci [Internet]. 2014;33(1):355-61. Available from: https://www.ajol.info/index.php/ajns/article/view/115311

Gadelha IDS, Brito GE, Ribeiro KSQS, Nascimento JA, Freitas EML. Access time to rehabilitation services for people suffering from a stroke. Rev enferm UFPE [Internet]. 2015;9(12):1246-24. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10831/12027

Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Saúde. Febre pelo vírus Zika: uma revisão narrativa sobre a doença [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. 2015;46(26). Available from: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/agravos/notas_tecnicas/Vigilancia-zika-31-01-17.pdf

Chen JJ, Yang RK. The Future of UIHC Rehabilitation Services: Defining and Measuring Quality Rehabilitation Services. Iowa Orthop J. 2009;29:139–42. Cited: PMID: 19742103

Santos LS, Barbosa ASS, Santana ASFG, Monteiro LFT. A participação da família no trabalho de reabilitação da criança com microcefalia. Cad Grad Ciênc Biol Saúde Unit [Internet]. 2018;4(2):189-202. Available from: https://periodicos.set.edu.br/fitsbiosaude/article/view/4525

Nunes ML, Carlini CR, Marinowic D, Kalil Neto F, Fiori HH, Scotta MC, et al. Microcephaly and Zika virus: a clinical and epidemiological analysis of the current outbreak in Brazil. J. Pediatr. 2016;92(3):230-40. https://doi.org/10.1016/j.jped.2016.02.009

Ribeiro AP, Barter EACP. Rehabilitation service to the elder person victim of accidents and violence on different regions of Brazil. Ciênc. saúde coletiva. 2010;15(6):2729-40. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000600011

Ventura CV, Maia M, Ventura BV, Linden VVD, Araújo EB, Ramos RC, et al. Ophthalmological findings in infants with microcephaly and presumable intra-uterus Zika virus infection. Arq. Bras. Oftalmol. 2016;79(1):1-3. https://doi.org/10.5935/0004-2749.20160002

Botelho ACG, Neri LV, Silva MQF, Lima TT, Santos KG, Cunha RMA, et al. Presumed congenital infection by Zika virus: findings on psychomotor development - a case report. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2016;16(1):39-44. https://doi.org/10.1590/1806-9304201600S100004

Flor CJDRV, Guerreiro CF, Anjos JLM. Neuropsicomotordevelopment in children with microconfalia associated with zika virus. Rev Pesq Fisioter. 2017;7(3):313-18. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v7i3.1386

Silva RK, Gaetan ESM. A importância da estimulação ambiental e da intervenção fisioterapêutica precoce na habilitação de crianças com paralisia cerebral: uma visão neurofisiológica. Reabilitar. 2004;22(6):49-57.

Souza CCBX, Rocha EF. Entry doors or shut doors?: access to rehabilitation within basic health units of the southeastern region of the city of So Paulo - from 2000 to 2006. Rev Ter Ocup [Internet]. 2010;21(3):230-39. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-657264

Balasubramanian H, Biehl S, Dai L, Muriel A. Dynamic allocation of same-day requests in multiphysician primary care practices in the presence of prescheduled appointments. Health Care Manag Sci. 2014;17(1):31-48. https://doi.org/10.1007/s10729-013-9242-2

Félix VPSR, Farias AM. Microcephaly and family dynamics: fathers’ perceptions of their children’s disability. Cad. Saúde Pública. 2018;34(12):e00220316. https://doi.org/10.1590/0102-311X00220316

Lima LHSS. Dinâmica familiar da criança com microcefalia pelo Zika vírus à luz da teoria de Betty Neuman [dissertação] [Internet]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2017.Available from: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/29617

Brunoni D, Blascovi-Assis SM, Osório AAC, Seabra AG, Amato CADLH, Teixeira MCTV, et al. Microcephaly and other Zika virus related events: the impact on children, families and health teams. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(10):3297-3302. https://doi.org/10.1590/1413-812320152110.16832016

Bolla BA, Farias AMD. Caring for a child with congenital anomalies: the experience of the family. Esc Anna Nery Rev Enfermagem. 2013;17(2):284-90. https://doi.org/10.1590/S1414-81452013000200012

Vale PRLF. Experiências de famílias de crianças com microcefalia por Zika vírus [dissertation] [Internet]. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2018. Available from: http://tede2.uefs.br:8080/handle/tede/680

Publicado

2021-11-17

Como Citar

Nóbrega de Farias, D., da Fonseca Neves , R. ., Guedes de Brito , G. E. ., Silva de Mélo , E. ., Duarte de Britto Lira , L., Guedes Souza, L. M. . ., do Nascimento, J. A. . ., & Queiroz Silva Ribeiro, K. S. . . (2021). Características do acesso de crianças com microcefalia aos serviços de fisioterapia. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 11(4), 738–749. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i4.4147

Edição

Seção

Artigos Originais