A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA LUXAÇÃO TRAUMÁTICA DE JOELHO

Autores

  • Haron Silva Dorta Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP_EPM.
  • Elizabeth Honorato Torato
  • Adriana Lopes da Silva
  • José Carlos de Araujo

DOI:

https://doi.org/10.17267/rpf.v4i3.503

Palavras-chave:

Luxação do Joelho, Fisioterapia, Reabilitação

Resumo

A Luxação Traumática do Joelho é definida como a perda anatômica normal da articulação fêmur-tibial. Esse tipo de lesão está associada a uma força traumática elevada geralmente associada com lesões de alta velocidade, acidentes de trânsito, principalmente rodoviárias. O deslocamento também pode ocorrer a partir de lesões de baixa velocidade, como na pratica de esportes. O tratamento dessas lesões ainda é controverso e a reabilitação fisioterapêutica neste tipo de lesão ainda é inexistente na literatura. Esse estudo um relato de caso onde uma paciente L.A.V 56 anos, sexo feminino,sofreu um acidente automobilístico onde foi atropelada por uma motocicleta, com o diagnóstico de luxação traumática no joelho que sofreu, foi submetida a 12 semanas de fisioterapia. Conclusão: A paciente apresentou melhora em seu quadro clínico onde voltou a realizar suas atividades diárias sem dificuldades. Mostrando que o papel da fisioterapia foi fundamental neste tipo de caso. A reabilitação deste paciente minimizou também a necessidade da realização da cirurgia de reconstrução ligamentar. Outros estudos devem ser realizados, para complementar e confirmar nossos resultados.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Haron Silva Dorta, Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP_EPM.

Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP_EPM.

Departamento de Endocrinologia Clinica, Laboratório de Endocrinologia Molecular e Translacional (LEMT), Unifesp- EPM.

Downloads

Publicado

2015-03-09

Como Citar

Dorta, H. S., Honorato Torato, E., Lopes da Silva, A., & Carlos de Araujo, J. (2015). A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA LUXAÇÃO TRAUMÁTICA DE JOELHO. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 4(3). https://doi.org/10.17267/rpf.v4i3.503

Edição

Seção

Relatos de Caso