O Xamanismo da Psicologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3827

Palavras-chave:

Xamanismo, Colonialismo, História, Prática Psicológica.

Resumo

INTRODUÇÃO: O Xamanismo está presente na humanidade desde o período Paleolítico, muitos recursos do campo psicológico dialogam implícita ou explicitamente com esta tradição: a hipnose, o efeito placebo, a interpretação dos sonhos, técnicas meditativas de visualização, relaxamento e dramatização, a catarse e o manejo de sentido e simbolismo nas doenças e eventos da vida são exemplos. OBJETIVO: Reconhecer a presença do xamanismo e seus saberes afins à psicologia, visibilizando suas contribuições na atualidade. MÉTODO: Trata-se de um estudo teórico com base uma revisão bibliográfica narrativa. RESULTADOS: Procuramos reconhecer o xamanismo da psicologia partindo de uma crítica descolonial da história da psicologia e do xamanismo. Em seguida, destacamos algumas traduções epistemológicas que ajudam no reconhecimento do xamanismo na atualidade: a ideia de especialidade biológica; a noção de tecnologias do sagrado; bem como a incorporação da meditação e dos psicodélicos como inovação “psi”. CONCLUSÃO: Apresentamos três importantes considerações: a validade do xamanismo pela ciência não deve ser baliza de seu mérito; a psicologia deve construir uma reflexividade ética para não atuar como colonizadora do xamanismo e, por fim, reconhecer o xamanismo da psicologia permite reconhecer o próprio campo no qual é agente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

ALEXANDRE FRANCA BARRETO, Universidade Federal do Vale do São Francisco (Petrolina). Juazeiro, Brasil.

 

 

 

Referências

Aldhouse-Green, M., & Aldhouse-Green, S. (2005). Quest for the shaman: Shape-Shifters, Sorcerers and Spirit Healers in Ancient Europe [Busca pelo xamã: Metamorfos, feiticeiros e curandeiros espirituais na Europa Antiga]. Thames and Hudson

Berman, M. (2000). Wandering God: A study in nomadic spirituality [Deus que vagueia: Um estudo sobre a espiritualidade nômade]. State University of New York Press.

Bock, A. M. B., Teixeira, M. L. T., & Furtado, O. (Orgs.) (2018). Psicologias: uma introdução ao estudo de Psicologia. Saraiva.

Castro, E. V. (2017). A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. Ubu.

Eliade, M. (1996). Yoga: Imortalidade e liberdade. Palas Athena.

Eliade, M. (2002). O xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. Martins Fontes.

Fernandes, S. C. (2018). Xamanismo e neoxamanismo no circuito do consumo ritual das medicinas da floresta. Horizontes Antropológicos, 24(51), 289-314. https://doi.org/10.1590/S0104-71832018000200011

Goleman, D. & Davidson, R. J. (2017). A ciência da meditação: Como transformar o cérebro, a mente e o corpo. Objetiva.

Gøtzsche, P. (2016). Medicamentos mortais e crime organizado: Como a indústria farmacêutica corrompeu a assistência médica. Bookman. (Texto original publicado em 2013)

Grof, S. (1987). Além do Cérebro: nascimento, Morte e Transcendência em Psicoterapia. McGraw-Hill. (Texto original publicado em 1985)

Grof, S. (2010). Respiração holotrópica: Uma nova abordagem de autoexploração e terapia. Numina.

Grof, S. (2015). Cura profunda: A perspectiva holotrópica. Numina.

Grosfoguel, R. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, 31(1), 25-49. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

Hothersall, D. (2019). História da psicologia (4a. ed.). AMGH.

Jacó-Vilela, A. M., Ferreira, A. A. L., & Portugal, F. T. (Orgs.). (2006). História da psicologia: rumos e percursos. Nau.

Jung, C. G. (2000). Arquétipos e o inconsciente coletivo. Vozes. (Texto original publicado em 1951).

Kopenawa, D., & Albert, B. (2015). A queda do céu: Palavras de um xamã yanomami. Companhia das Letras. (Texto original publicado em 2013)

Krippner, S. (2007). Os primeiros curadores da humanidade: abordagens psicológicas e psiquiátricas sobre os xamãs e o xamanismo. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 34(Suppl. 1), 17-24. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832007000700004

Lowen, A. (2017). Bioenergética. Summus. (Texto original publicado em 1994)

Malradi, E., & Martins, L. B. (2016). A Psicologia diante dos saberes tradicionais: o caso do xamanismo. In Conselho Regional de Psicologia de São Paulo, Na Fronteira da Psicologia com os Saberes Tradicionais: Práticas e Técnicas (Vol. 2, pp. 67-72). CRP – SP. http://www.crpsp.org.br/diverpsi/arquivos/ColecaoDiverpsi_Vol2.pdf

Miller, M. J., Albarracin-Jordan J., Moore C., & Capriles J. M. (2019). Chemical evidence for the use of multiple psychotropic plants in a 1,000-year-old ritual bundle from South America [Evidência química para o uso de múltiplas plantas psicotrópicas em um pacote ritual com mais de 1.000 anos da América do Sul]. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 2019;116(23):11207-11212. https://doi.org/10.1073/pnas.1902174116

Moebus, R. (2017). Práticas indígenas de produção do cuidado. Diversitates International Journal, 9(1), 27-45. http://www.diversitates.uff.br/index.php/1diversitates-uff1/article/view/175/109

Pollan, M. (2018). Como mudar sua mente. O que a nova ciência das substâncias psicodélicas pode nos ensinar sobre consciência, morte, vícios, depressão e transcendência. Intrínseca.

Porto-Gonçalves, C. W., & Quental, P. A. (2012). Colonialidade do poder e os desafios da integração regional na América Latina. Polis, 11(31), 295-332. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-65682012000100017

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In E. Lander (Org.), A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais (pp. 227-278). Clacso.

Rock, A. J., & Krippner, S. (2011). Demystifying shamans and their world: A multi-disciplinary study [Desmistificando os xamãs e seu mundo: Um estudo multidisciplinar]. Imprint Academic.

Santos, B. S. (2008a). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. Cortez.

Santos, B. S. (2008b). A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, 11-43. https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RCEUCB/article/view/1714

Schenberg, E. E. (2018). Psychedelic-Assisted Psychotherapy: A Paradigm Shift in Psychiatric Research and Development [Psicoterapia Psicodélico-Assistida: Uma Mudança Paradigmática na Pesquisa e Desenvolvimento Psiquiátrico]. Frontiers in pharmacology, 9, 733. https://doi.org/10.3389/fphar.2018.00733

Schultz, D. P., & Schultz, S. E. (2002). História da Psicologia Moderna. Cultrix.

Singer, W., & Ricard, M. (2018). Cérebro e Meditação: Diálogos entre o budismo e a neurociência. Alaúde.

Wilson, S. C., & Barber, T. X. (1983). The fantasy-prone personality: Implications forunderstanding imagery, hypnosis, and parapsychological phenomena [A personalidade propensa à fantasia: Implicações para compreender imagens, hipnose e fenômenos parapsicológicos]. In A. A. Sheikh (Ed.), Imagery: Current theory, research, and application (pp. 340–390). Wiley.

Winkelman, M. J. (2002). Shamanic guidelines for psychedelic medicine [Diretrizes xamânicas para a medicina psicodélica]. In M. Winkelman, & T. B. Roberts (Eds.), Psychedelic medicine. New evidence for hallucinogenic substances as treatments (pp. 143-167). Praeger.

Winkelman, M. J. (2010). Shamanism: A biopsychosocial paradigm of consciousness and healing [O xamanismo: Um paradigma biopsicossocial de consciência e cura]. Praeger.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

BARRETO, A. F. (2021). O Xamanismo da Psicologia. Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 10(3). https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3827

Edição

Seção

Estudos Teóricos