CRISE NO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: CAPITALISMO, DESIGUALDADE SOCIAL E PRISÃO

Ueliton Santos de Andrade, Fábio Félix Ferreira

Resumo


O esgotamento do modelo prisional é uma questão recorrente em muitos sistemas prisionais. Há várias dificuldades e deficiências evidenciadas no cumprimento das penas de prisão, como a superlotação carcerária, ou ociosidade obrigada do preso, o ambiente favorável à agressão, o grande consumo de drogas e o alto índice de reincidência. Para discussão do assunto foi utilizada pesquisa qualitativa, exploratória, descritiva, dedutivo e bibliográfico com base em livros e artigos científicos de áreas afins. As soluções e alternativas para a problemática, bem como para a incredulidade quanto à busca da reintegração social do presidiário como mais uma função da pena, parte primeiramente da sociedade, a qual ainda admite as gravidades e mazelas das prisões e, não muda o pensamento quanto ao preso e sua perspectiva da reinserção social, tratando-o como eterno excluído. Assim sendo, o presente constructo teve por finalidade analisar e discutir a crise no sistema prisional brasileiro, nitidamente um ambiente de rebeliões, corrupção, violência e de presos vivendo em condições sub-humanas, sendo estes alguns dos muitos problemas que a população atemorizada enfrenta. Esse viés é mais bem compreendido fazendo-se um paralelo entre o capitalismo e a desigualdade social como pano de fundo da atual crise, pois se entende que a prisão reflete aquilo que está posto socialmente.

 

 

 


Palavras-chave


Capitalismo; Desigualdade; Sistema prisional

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v4i1.537

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016



Esta revista foi indexada e/ou catalogada nas seguintes bases de dados: 

                              

 

Revista Psicologia, Diversidade e Saúde | ISSN: 2317-3394

Site atualizado em 13/12/2018

Licença Creative Commons