PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA SÍNDROME DE DOWN NO ESTADO DA BAHIA

Juliana Gonçalves Cunha, Naiane de Oliveira Costa, Marlene Silva

Resumo


Introdução: A Síndrome de Down (SD) é uma desordem genética, caracterizada pela trissomia do cromossomo 21, cujo fator que indubitavelmente se associa com a SD é a idade materna avançada. Entretanto, características especiais da mãe ou das condições de  nascimento são encontradas com mais freqüência entre tais crianças do que entre as crianças normais. O objetivo deste estudo é traçar o perfil epidemiológico de recém-nascidos com SD, no Estado da Bahia; verificar as relações entre as características maternas e de nascimento e a SD, além de identificar possíveis associações do Apgar e do peso ao nascer com a SD. Material e Método: O estudo é transversal, com uma série temporal de recém-nascidos (RN) no estado da Bahia, entre 2005 e 2007, registrados no Sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC). Resultados: Entre os 671.650 nascidos vivos a maior incidência de SD foi observada em 2005. Fatores como idade avançada, escores baixos de Apgar no 1º e no 5º minutos, baixo peso ao nascer e idade gestacional prematura apresentaram associações estatisticamente significantes as maiores incidências da Síndrome. Conclusão: mostrou-se que RN com SD apresentam características comuns evidenciando a necessidade do estímulo precoce. Apesar dos resultados, sugerem-se novos estudos com mesmos fatores, maior período, em diferentes populações.

Palavras-chave


Síndrome de Down; Incidência; Perfil epidemiológico; Nascimentos na Bahia; Apgar

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v1i2.58

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



A RPF foi indexada e/ou catalogada nas seguintes bases de dados:

                                                  

 

Revista Pesquisa em Fisioterapia | ISSN: 2238-2704

Site atualizado em 28/02/2018

Licença Creative Commons