Os efeitos do stretching global ativo em bailarinas clássicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.2022.e4396

Palavras-chave:

Dança, Exercícios de alongamento muscular, Fisioterapia

Resumo

INTRODUÇÃO: O Stretching Global Ativo (SGA) pode ser uma boa estratégia para a melhora da postura e qualidade de vida, e redução da dor . Ele atua com alongamentos de cadeias musculares podendo proporcionar melhora da prática do balé sem grandes estresses físicos. OBJETIVO: Verificar os efeitos do SGA na postura, dor e qualidade de vida de bailarinas clássicas. MATERIAIS E MÉTODOS: Foi um ensaio clínico randomizado no período de novembro de 2020 a outubro de 2021. Constitui-se de 20 bailarinas (idade entre 12 e 22 anos), sem lesões ortopédicas ou em recuperação, e sem tratamento fisioterapêutico. Estas foram divididas em dois grupos. O grupo controle em que não houve nenhuma intervenção e o grupo SGA, o qual realizou três posturas durante 15 minutos para cada, duas vezes por semana, totalizando 10 sessões. Avaliou-se por meio do Questionário de Qualidade de Vida do Atleta, Questionário Nórdico Musculoesquelético e pelo Software para Avaliação Postural, empregando os testes t (independência), teste t (pareado), teste G (contingência) e o Qui-quadrado. RESULTADOS: Não houve diferença estatística na qualidade de vida e dor, porém no grupo controle houve aumento da extensão do corpo (0,003) e dorsiflexão do tornozelo (0,01); e no grupo SGA, aumento do valgo de joelho esquerdo (0,05), redução da rotação interna da cabeça do fêmur (0,01) e extensão do joelho esquerdo. CONCLUSÃO: Houve efeitos do SGA apenas na postura das bailarinas, fato não encontrado na dor e qualidade de vida das mesmas. Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos (ReBEC) de protocolo RBR-10wckkk7.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anjos KSS, Oliveira RC, Velardi M. The construction of the ideal body in classical ballet: a phenomenological investigation. Revis Brasil de Educ Fís e Esp. 2015;29(3):439-452. https://doi.org/10.1590/1807-55092015000300439

Costa C, Teixeira Z. The experience of pain among classical dance ballerinas: meanings derived from a qualitative study. Ciênc, saúde colet. 2019;24(5):1657-1667. https://doi.org/10.1590/1413-81232018245.04302019

Silva AMB, Emuno SRF. Pain and injury in adolescent dancers: systematic review. Rev Dor. 2016;17(2);132-135. https://doi.org/10.5935/1806-0013.20160030

Ribeiro JN, Moura UIS, Mendes LR, Antonelli BA, Schwingel PA, Angelo RCO. Postural profile of classical ballerinas from the Vale do São Francisco - Region of Brazil. Coluna/Columna. 2016;15(3):199-204. https://doi.org/10.1590/S1808-185120161503155900

Lima MA. Treino pliométrico para crianças e adolescentes [trabalho de conclusão de curso]. Santos: Universidade Católica de Santos; 2011.

Ackland TR, Elliot BC, Bloomfield J. Anatomia e biomecânica aplicadas no esporte. Barueri: Manole; 2011.

Souchard P. Autoposturas da RPG: O método do Stretching Global Ativo (SGA). São Paulo: Summus Editorial; 2019.

Grau N. SGA: A serviço do esporte. São Paulo: É realizações; 2003.

Oliveira AL, Nogueira N. Influência do Stretching Global Activo na flexibilidade da Cadeia Posterior e no Salto Vertical no Voleibol. Revista Portuguesa de Fisioterapia no Desporto [Internet]. 2008;1(2):7-17. Available from: https://www.academia.edu/7353396/Influ%C3%AAncia_do_Stretching_Global_Activo_na_Flexibilidade_da_Cadeia_Posterior_e_no_Salto_Vertical_no_Voleibol

Cunha RA. Elaboração e validação do questionário sobre qualidade de vida de atletas (QQVA) [dissertação] [Internet]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2008. Available from: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/KMCG-7NRM33

Mesquita CC, Ribeiro JC, Moreira P. Portuguese version of the standardized Nordic Musculoskeletal questionnaire: cross cultural and reliability. J Public Health. 2010;18(5):461-466. https://doi.org/10.1007/s10389-010-0331-0

Duarte M, Ferreira EA, Maldonado EP, Freitas AZ. Documentação sobre o SAPO – Software para avaliação postural [Internet]; 2005. Available from: https://pesquisa.ufabc.edu.br/bmclab/sapo2/SAPOdoc.pdf

Silva AMB, Enumo SRF, Afonso RM, Araújo MF, Luz TSR, Carvalho LF, et al. Survey on Quality of Life of Athletes: Adaptation and Validity Evidences for Dancers. Av En Psicol Latinoam. 2019;37(1):121-131. https://doi.org/10.12804/revistas.urosario.edu.co/apl/a.4575

Ribeiro ISCT, Finotelli Junior I. Associação entre qualidade de vida do atleta com sintomas de ansiedade e ansiedade pré-competitiva. 15º Congresso Brasileiro e 7º Congresso Internacional de Psicologia do Esporte e do Exercício [Internet]. Anais do XV Congresso Brasileiro e VII Congresso Internacional de Psicologia do Esporte e do Exercício [Internet]. Florianópolis; 2013. Disponível em: https://www.cesusc.edu.br/1746-congresso-internacional-de-psicologia-do-esporte-e-do-exercicio-comeca-na-quarta/

Dantas SV, Neves ISF, Mota DM, Marques COM, Sousa FAN, Leal SS. Evaluation of postural changes of badminton athletes submitted to Global Active Stretching. ConScien Saúde. 2014;13(2):211-217. https://doi.org/10.5585/conssaude.v13n2.4745

Ferreira EAG. Postura e controle postural: desenvolvimento e aplicação de método quantitativo de avaliação postural [tese] [Internet]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2005. Available from: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-20092006-142252/pt-br.php

Salles TA. O balé clássico: principais lesões e um trabalho preventivo baseado na preparação física [monografia]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2008.

Cardoso AA, Reis NM, Marinho APR, Vieira MCS, Boing L, Guimarães ACA. Injuries in professional dancers: a systematic review. Rev Bras Med Esporte. 2017;23(6):504-509. https://doi.org/10.1590/1517-869220172306170788

Meereis ECW, Teixeira CS, Pranke GI, Lemos LFC, Mot ACB. Sintomatologia dolorosa em bailarinos: uma revisa?o. Rev bras. ciênc. mov. [Internet]. 2013; 21(2):143-150. Available from: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rbcm/article/view/3078

Carvalho RSG. Alterações posturais em bailarinas clássicas da escola livre de dança de Santos/SP [monografia]. Santos: Universidade Federal de São Paulo; 2019.

Schweich LC, Gimelli AM, Elosta MB, Matos WSW, Martinez PF, Oliveira Júnior AS. Epidemiology of athletic injuries in classic ballet practitioners. Fisioter, Pesq, 2014;21(4):353-358. https://doi.org/10.590/1809-2950/12833321042014

Garcia PU, Aranda MC. Analytical stretching and active global stretching in physical education classes. Fisiot. 2011;33(2):70-8. https://doi.org/10.1016/j.ft.2011.02.003

Silvestri BN, Polizelli AB. Implantação de um programa de stretching global ativo nas atletas de futsal feminino da UNESC. Rev Inic Cientif [Internet]. 2010;8(1):136-148. Available from: https://periodicos.unesc.net/ojs/index.php/iniciacaocientifica/article/view/1586

Fernandes SN, Fernandes O, Loss J, Cruz-Ferreira A. O efeito do método pilates na prevenção de lesões em bailarinos profissionais. Rev de Cienc del dep [Internet]. 2015:11(1); 53-69. Available from: https://e-balonmano.com/ojs/index.php/revista/article/view/199

Publicado

2022-07-20

Como Citar

Pinto, A. L. C. ., da Costa, C. de F. P. ., dos Santos, P. L. M. ., Guimarães, A. de C. L. ., de Azeredo, M. L. R. ., de Melo, R. A. ., Dias, B. A. C. ., & Dias, G. A. da S. (2022). Os efeitos do stretching global ativo em bailarinas clássicas. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 12, e4396. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.2022.e4396

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)