Percepção das mães em relação ao desenvolvimento neuropsicomotor de seus filhos com doenças hepáticas: um estudo qualitativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i4.4121

Palavras-chave:

Doença Hepática Terminal, Deficiências do Desenvolvimento, Percepção

Resumo

INTRODUÇÃO: Muito se sabe sobre o quanto as doenças hepáticas impactam no desenvolvimento cognitivo, motor e social infantil. Entretanto, saber o que as mães pensam sobre o desenvolvimento de seus filhos e os aspectos que elas consideram mais importantes constituem temas pouco explorados. OBJETIVO: Investigar as percepções das mães de crianças hepatopatas acerca do desenvolvimento de seus filhos. MÉTODO: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritivo-exploratória, realizada com 12 mães de crianças (até 6 anos de idade) com hepatopatias crônicas, acompanhadas num centro de referência da Bahia. Realizou-se entrevista narrativa para coleta dos dados, que foram posteriormente transcritas e processadas conforme a análise de conteúdo temático categorial de Bardin. Foi comparado a percepção das mães acerca do desenvolvimento de seus filhos com os resultados obtidos na avaliação com o Teste de triagem de Denver II (TTDII) de suas crianças. RESULTADOS: Há concordância na maioria dos resultados da avaliação para suspeita ou risco do desenvolvimento neuropsicomotor, demonstrando que essas mães conseguem identificar comportamentos típicos e atípicos. As falas maternas são de superproteção e amenização do processo do adoecimento, bem como autoconfiança e superioridade como uma atitude de defesa, na tentativa de escamotear o sentimento de fragilidade frente a doença. CONCLUSÕES: A percepção das mães acerca do desenvolvimento de seus filhos foi convergente com os resultados do TTDII. As mães e as crianças precisam de acompanhamento multiprofissional para melhor manejo terapêutico e neurodesenvolvimento, bem como suporte familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nóbrega VM, Silva MEA, Fernandes LTB, Viera CS, Reichert APS, Collet N. Chronic disease in childhood and adolescence: continuity of care in the Health Care Network. Rev esc enferm USP. 2017;51:e03226. http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2016042503226

Castro EK, Piccinini CA. The experience of motherhood in mothers of children with and without chronic disease in the second year of life. Estud Psicol. 2004;9(1):89–99. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000100011

Anton MC, Augusto C. The emotional development in liver transplanted child. Estud Psicol. 2011;16(1):39–47. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2011000100006

Macedo AF, Azevedo RA, Zanin FAA, Duarte D. Oral and systemic findings in children with chronic liver diseases [Internet]. 2007;55(4):403–6. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-510976

Parekh PJ, Balart LA. Ammonia and Its Role in the Pathogenesis of Hepatic Encephalopathy. Clin Liver Dis. 2015;19(3):529–37. https://doi.org/10.1016/j.cld.2015.05.002

Rodijk LH, Den Heijer AE, Hulscher JBF, Verkade HJ, De Kleine RHJ, Bruggink JLM. Neurodevelopmental outcomes in children with liver diseases: A systematic review. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2018;67(2):157–68. https://doi.org/10.1097/MPG.0000000000001981

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2007.

Sabatés AL. Denver II: Teste de triagem do desenvolvimento: Manual de treinamento. São Paulo: Hogrefe; 2017.

Fonseca E. Desenvolvimento Normal de 1 a 5 anos. Rev Pediatr SOPERJ [Internet]. 2011;12(suppl 1):4–8. Available from: http://revistadepediatriasoperj.org.br/detalhe_artigo.asp?id=551

Anton MC, Piccinini CA. The impact of pediatric liver transplantation on family relationsvO impacto do transplante hepático infantil na dinâmica familiar. Psicol Reflex Crit. 2010;23(2):187–97. https://doi.org/10.1590/S0102-79722010000200001

Almaas R, Jensen U, Loennecken MC, Tveter AT, Sanengen T, Scholz T, et al. Impaired motor competence in children with transplanted liver. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2015;60(6):723–8. https://doi.org/10.1097/MPG.0000000000000757

De-Paula EM, Porta G, Tannuri ACA, Tannuri U, Befi-Lopes DM. Language assessment of children with severe liver disease in a public service in Brazil. Clinics. 2017;72(6):351–7. https://doi.org/10.6061/clinics/2017(06)04

Hanton LB. Caring for children awaiting heart transplantation: psychosocial implications. Pediatr Nurs. 1998;24(3):214–8. Cited: PMID: 9987419.

Galvão BAP, Bueno KMP, Rezende MB, Magalhães LC. Mother's perception of the performance of children with developmental coordination disorder. Psicol em Estud. 2014;19(3):527–38. https://doi.org/10.1590/1413-73722039315

Ng VL, Sorensen LG, Alonso EM, Fredericks EM, Ye W, Moore J, et al. Neurodevelopmental Outcome of Young Children with Biliary Atresia and Native Liver: Results from the ChiLDReN Study. J Pediatr. 2018;196:139-147.e3. https://doi.org/10.1016/j.jpeds.2017.12.048

Halpern R, Giugliani ERJ, Victora CG, Barros FC, Horta BL. Risk factors for suspicion of developmental delays at 12 months of age Fatores de risco para suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor aos 12 meses de vida. Rev Chil pediatría. 2002;73(5):529-39. http://dx.doi.org/10.4067/S0370-41062002000500016

Squires JE, Ng VL, Hawthorne K, Henn LL, Sorensen LG, Fredericks EM, et al. Neurodevelopmental Outcomes in Preschool and School Aged Children with Biliary Atresia and Their Native Liver. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2020;70(1):79–86. https://doi.org/10.1097/mpg.0000000000002489

Publicado

2021-11-04

Como Citar

Santos, J. C. ., Barreto, N. M. P. V., Santana, H. S. ., Sá, S. M. P., & Silva, L. R. (2021). Percepção das mães em relação ao desenvolvimento neuropsicomotor de seus filhos com doenças hepáticas: um estudo qualitativo. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 11(4), 722–729. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i4.4121

Edição

Seção

Artigos Originais