Dispositivo materno perante a condição de mulheres em amamentação que vivem com HIV

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4095

Palavras-chave:

Vulnerabilidade do Gênero, HIV, Aleitamento Materno

Resumo

INTRODUÇÃO: Muitos são os papéis socialmente atribuídos às mulheres no contexto da maternidade e especialmente no processo de amamentação. Num contexto de mulheres vivendo com HIV/aids, a amamentação e o risco de transmissão vertical do HIV aponta para particulares implicações. OBJETIVO: Este estudo tem por objetivo discutir sobre os impactos dos dispositivos e tecnologias de gênero relacionados às experiências das mulheres vivendo com HIV e em processo de amamentação. MÉTODO: Para isso, a partir de delineamento qualitativo e exploratório, foi realizada uma revisão da literatura nas plataformas Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e Biblioteca Digital de Periódicos, possibilitando a exploração de questões à luz de produções sobre o tema e tornando possível reflexões acerca dos temas abordados. Buscou-se ainda selecionar e incluir livros e outras obras clássicas relevantes a essa temática específica. RESULTADOS: Foram selecionados 7 publicações, segundo a relação com os objetivos deste estudo, além de outras obras com relevância para a temática em questão, que  revelaram a existência de sentimentos ambivalentes como: raiva, tristeza, sentimento de culpa e a necessidade de proteger a criança diante da (im)possibilidade de transmitir o HIV. CONSIDERAÇÕES FINAIS: A busca indica que existe uma larga possibilidade de estabelecer de forma histórica, social e cultural a relação entre a tecnologia do gênero, dispositivo materno e a transmissão vertical do HIV.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, J. A. G. (1999). Amamentação: um híbrido natureza-cultura. Editora Fiocruz. https://books.scielo.org/id/rdm32

Badinter, E. (2011). O conflito: a mulher e a mãe. Record. (Texto originalmente publicado em 2010).

Carvalho, F. T., & Piccinini, C. A. (2006). Maternidade em situação de infecção pelo HIV: Um estudo sobre os sentimentos de gestantes. Interação em Psicologia, 10(2), 345-355. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v10i2.7693

Carvalho, F. T., & Piccinini, C. A. (2008). Aspectos históricos do feminino e do maternal e a infecção pelo HIV em mulheres. Ciência e Saúde coletiva, 13(6), 1889-1898. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000600024

Cortez, A. F. L. (2010). O discurso da revista Crescer na normatização da sexualidade feminina na gravidez [Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco]. Repositório digital da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8503

Costa, J. F. (1983). Ordem Médica e Norma Familiar. Graal.

Ewbank, T. (1976). Vida no Brasil ou Diário de uma Visita à Terra do Cacaueiro. Itatiaia/EDUSP.

Fischer, R. M. (1997). O estatuto pedagógico da mídia: questões de análise. Educação & Realidade, 22(2), 59-79. https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71363

Foucault, M. (1990). Tecnologías del yo y otros textos afines. [Tecnologias do eu e outros textos relacionados]. Paidós. (Texto publicado originalmente em 1988).

Foucault, M. (1996). Microfísica do poder. Graal. (Texto originalmente publicado em 1978).

Kalil, I. R., & Aguiar, A. C. (2017). Silêncios nos discursos pró-aleitamento materno: uma análise na perspectiva de gênero. Estudos feministas, 25(2), 637-660. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n2p637

Knaak, S.J. (2006). The Problem with Breastfeeding Discourse. [O problema do discurso da amamentação]. Canadian journal of public health, 97(5), 412-414. https://doi.org/10.1007/BF03405355

Koller, S. H., Couto, M. C. P. P., & Von Hohendorff, J. (2014). Manual de produção científica. Penso Editora.

Marcello, F. A. (2005). Enunciar-se, organizar-se, controlar-se: modos de subjetivação feminina no dispositivo da maternidade. Revista brasileira de educação, 29, 139-151. https://doi.org/10.1590/S1413-24782005000200011

Ministério da Saúde. (2010). Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Antirretroviral em Gestantes: manual de bolso. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2010/recomendacoes-para-profilaxia-da-transmissao-vertical-do-hiv-e-terapia-antirretroviral-em

Moreno, C. C. G. S., Rea, M. F., & Filipe, E. V. (2006). Mães HIV positivo e a não-amamentação. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 6(2), 199-208. https://doi.org/10.1590/S1519-38292006000200007

Nakano, A. M. S. (2003). As vivências da amamentação para um grupo de mulheres: nos limites de ser "o corpo para o filho" e de ser "o corpo para si". Cadernos de Saúde Pública, 19(2), S355-S363. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000800017

Padoin, S. M. M., Souza, I. E. O., & Paula, C. C. (2010). Cotidianidade da mulher que tem HIV/AIDS: modo de ser diante da (im)possibilidade de amamentar. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(1), 77-83. https://doi.org/10.1590/S1983-14472010000100011

Paiva, S. S., & Galvão, M. T. G. (2004). Sentimentos diante da não amamentação de gestantes e puérperas soropositivas para HIV. Texto & Contexto - Enfermagem, 13(3), 414-419. https://doi.org/10.1590/S0104-07072004000300011

Piccinini, C. A., Gomes, A. G., Moreira, L. E., & Lopes, R. S. (2004). Expectativas e sentimentos da gestante em relação ao seu bebê. Psicologia Teoria e Pesquisa, 20(3), 223-232. https://doi.org/10.1590/S0102-37722004000300003

Winnicott, D. W. (1990). O ambiente e os processos de maturação. Artes Médicas. (Texto originalmente publicado em 1965).

Zanello, V. (2018). Saúde Mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Editora Appris.

Publicado

2022-08-22

Como Citar

Mazuze, B. S. D., Borges, T. D. de S., & Selemane, J. M. (2022). Dispositivo materno perante a condição de mulheres em amamentação que vivem com HIV . Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 11, e4095. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4095

Edição

Seção

Estudos Teóricos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)