O uso da profilaxia antibiótica em implantodontia

Autores

  • Karine Lima Pedreira Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil
  • Juliana Rios de Oliveira Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil
  • Letícia de Santana Mascarenhas Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil
  • Hanna Thielly Thielly Silva Santana Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil
  • Maria Cecília Fonsêca Azoubel Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil
  • Sandro Bittencourt Souza Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.17267/2596-3368dentistry.v10i1.2267

Palavras-chave:

Implantes dentários. Antibioticoprofilaxia. Antibióticos

Resumo

INTRODUÇÃO: O uso de antibióticos em Implantodontia é amplamente empregado a fim de prevenir a infecção pós-operatória e perda do implante. No entanto, sua necessidade e eficácia não são consensuais na literatura. OBJETIVO: estre trabalho visa verificar a necessidade de profilaxia antibiótica em pacientes submetidos à cirurgia de implantes osseointegrados. MATERIAIS E MÉTODOS: buscou-se publicações sobre a temática nas bases de dados LILACS, SCIELO e PUBMED, nos idiomas português e inglês. RESULTADOS: a análise de literatura mostrou que a profilaxia antibiótica está indicada para pacientes com risco de endocardite infecciosa, imunodeprimidos, quando sítio cirúrgico esteja previamente infectado, em procedimentos extensos que necessitem de grande quantidade de implantes e/ou uso de biomateriais. Os ensaios clínicos randomizados publicados na literatura não têm padronização na metodologia, tipo de antibiótico, protocolos de posologia, procedimentos envolvidos, quantidade de implantes instalados por paciente, controle e falta de padronização dos operadores, que dificulta estabelecer um protocolo. CONCLUSÃO:o índice de sucesso dos implantes osseointegrados não está associado com a prescrição pré ou pós-operatória de antibióticos, mas sim com a correta indicação, planejamento, adequada técnica cirúrgica e aos procedimentos pré e pós-cirúrgicos eficientes. A profilaxia antibiótica deve ser indicada para pacientes que possuam alguma condição sistêmica que justifique seu uso. Em pacientes saudáveis, deve ser realizada uma rigorosa assepsia local, correta manipulação dos tecidos e utilização de técnica adequada para proporcionar ao paciente um excelente pós-operatório e igualmente, sucesso no tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Lima Pedreira, Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil

Especialista em Implantodontia pela Faculdade Batista Brasileira. Mestre em Odontologia pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública.

Juliana Rios de Oliveira, Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil

Bacharel em Odontologia da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Letícia de Santana Mascarenhas, Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil

Mestranda em Odontologia pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Hanna Thielly Thielly Silva Santana, Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil

Especialista em Implantodontia pelo Núcleo Pós-graduação em Odontologia

 

Maria Cecília Fonsêca Azoubel, Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil

Doutora em Ciências Médicas pela Universidade Federal do Ceará. Chefe de Odontologia pré-clínica da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Sandro Bittencourt Souza, Curso de Odontologia, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil

Doutor em Clínica Odontológica pela UNICAMP; Professor Adjunto da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Downloads

Publicado

2019-06-12

Como Citar

Lima Pedreira, K., Rios de Oliveira, J., Mascarenhas, L. de S., Silva Santana, H. T. T., Fonsêca Azoubel, M. C., & Souza, S. B. (2019). O uso da profilaxia antibiótica em implantodontia. Journal of Dentistry & Public Health (inactive / Archive Only), 10(1), 66–74. https://doi.org/10.17267/2596-3368dentistry.v10i1.2267

Edição

Seção

Revisões de Literatura