FREQUÊNCIA DE POSTURAS ESCOLIÓTICAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES: RASTREIO ESCOLAR

Autores

  • Jéssica Semíramis Lisboa Pereira Universidade do Estado da Bahia
  • Giovana Rossi Figueirôa Universidade do Estado da Bahia / Universidade Católica de Salvador

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v6i3.892

Palavras-chave:

Escoliose, Criança, Adolescente, Programas de rastreamento, Saúde escolar

Resumo

Objetivo: Estimar a frequência de posturas escolióticas em crianças e adolescentes, e identificar possíveis fatores associados. Métodos: Trata-se de um estudo transversal com crianças e adolescentes de 9 a 14 anos matriculados em uma Escola Municipal do Distrito Sanitário Cabula-Beirú na cidade de Salvador, Ba. Os estudantes foram submetidos a uma avaliação postural, teste de Adams e aplicação de questionário semi-estruturado, nos meses de agosto e setembro de 2015. As análises foram conduzidas no programa Epi Info versão 3.5.3, e realizado o teste Qui-quadrado de Pearson para verificar associações entre as variáveis, utilizando-se significância estatística para valor de p<0,05. Resultados: Dos 108 escolares que participaram da pesquisa 38 (35,2%) apresentaram postura escoliótica detectada pelo teste de Adams. A alteração foi mais frequente no sexo feminino, com valor estatisticamente significativo para esta variável (p= 0,035). A presença de assimetria do triangulo de tales também se associou significativamente com o desvio lateral da coluna (p=0,001). Conclusão: A elevada frequência
de postura escoliótica deste estudo reforça a necessidade de implantação de programas de prevenção primária nas escolas. Além de promover a detecção precoce da escoliose, estes programas podem contribuir para reduzir a incidência de outros agravos posturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéssica Semíramis Lisboa Pereira, Universidade do Estado da Bahia

Fisioterapeuta formada pela Universidade do Estado da Bahia

Downloads

Publicado

2016-09-12

Como Citar

Pereira, J. S. L., & Figueirôa, G. R. (2016). FREQUÊNCIA DE POSTURAS ESCOLIÓTICAS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES: RASTREIO ESCOLAR. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 6(3). https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v6i3.892

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)