PERFIL FUNCIONAL DA PARALISIA FACIAL EM UM HOSPITAL

Katia Mayumi Konno, Marise Bueno Zonta, Hélio Afonso Ghizoni Teive, Clynton Lourenço Corrêa

Resumo


A paralisia do nervo facial pode ser central ou periférica, sendo a paralisia nervosa mais acometida do corpo humano. O objetivo deste estudo foi estabelecer o perfil funcional dos pacientes com paralisia facial internados no Setor de Neurologia do Hospital das Clínicas da UFPR. Por meio de estudo prospectivo, com amostragem por conveniência e aplicação de um questionário para coleta dos dados clínicos, foi realizada a identificação do paciente e avaliação do grau de comprometimento muscular que foi classificada de acordo com a escala de evolução motora de House-Brackmann pelo período de 12 meses. Participaram do estudo 50 pessoas que representaram 9% dos internados na unidade. A etiologia predominante da paralisia facial foi vascular, com 88% dos casos de origem central. Foi observado padrão sazonal para a paralisia facial central com maior prevalência nos meses de abril à julho e paralisia facial periférica entre os meses de maio à julho. Diferentemente de outros estudos, não foi relatada queixa em relação à aparência. Apesar de existir encaminhamento à fisioterapia foi observada a necessidade de estabelecer um fluxograma para reabilitação dos pacientes durante o internamento e no pós-alta.


Palavras-chave


Fisioterapia; Paralisia Facial; Reabilitação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/rpf.v4i2.390

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



A RPF foi indexada e/ou catalogada nas seguintes bases de dados:

                                                  

 

Revista Pesquisa em Fisioterapia | ISSN: 2238-2704

Site atualizado em 28/02/2018

Licença Creative Commons