Alterações posturais e nível de dor em mães com bebês de colo: um estudo transversal

Autores

  • Lilian Stefanny Gonçalves de Freitas Faculdade do Vale do Jaguaribe
  • Alice Anny Diniz Rocha Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN
  • Elanny Mirelle da Costa Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN
  • Jessica Bruna Florêncio e Silva Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN
  • Ruana Glicya Lima Silva Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN
  • Wiara Milleny Roque Linhares Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN
  • Joelma Gomes da Silva Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i3.3893

Palavras-chave:

Dor. Gravidez. Período Pós-Parto. Postura.

Resumo

INTRODUÇÃO: O período gestacional caracteriza-se como um momento de grandes eventos fisiológicos, assim como também o período puerperal, que traz consigo grandes mudanças físicas e psicológicas. OBJETIVO: Avaliar a prevalência de alterações posturais e nível de dor em mães com bebês de colo. MATERIAL E MÉTODOS: Pesquisa transversal, de caráter descritivo e abordagem quantitativa, que foi desenvolvida com mães que participavam do acompanhamento de puericultura e aleitamento materno durante novembro de 2018 numa frequência de três vezes por semana. Para coleta dos dados, utilizou-se um formulário sociodemográfico para colher algumas informações pessoais; o Instrumento de Avaliação Postural (IAP) a Escala Analógica Visual de Dor (EVA). Os dados categóricos foram apresentados através de frequência simples e absolutas, seguidos da utilização do teste Qui-quadrado (?²) de Pearson para a associação entre o nível de dor com as variáveis dependentes. RESULTADOS: A idade das mães manteve-se entre 18 e 35 anos, com nível de escolaridade completo, e a maioria sem atividade ocupacional. Observou-se que, apesar do estudo não apresentar associação significativa entre os hábitos posturais e o nível de dor, este sintoma esteve presente em 73,5 % das mulheres e prevaleceu em níveis de moderada (n=26) à intensa (n=24), mantendo uma relação discreta com alguns tipos de desvios. A alteração postural mais prevalente foi a hiperlordose lombar (69,1%). CONCLUSÃO: foi possível perceber que a dor e os desvios posturais estão presentes em mulheres com bebês de colo, sendo necessário pensar em intervenções com esse enfoque para este grupo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Stefanny Gonçalves de Freitas, Faculdade do Vale do Jaguaribe

Faculdade do Vale do Jaguaribe

Alice Anny Diniz Rocha, Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Elanny Mirelle da Costa, Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Jessica Bruna Florêncio e Silva, Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Ruana Glicya Lima Silva, Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Wiara Milleny Roque Linhares, Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Joelma Gomes da Silva, Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Faculdade Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN

Publicado

2021-08-27

Como Citar

Gonçalves de Freitas, L. S., Rocha, A. A. D., Costa, E. M. da, Silva, J. B. F. e, Silva, R. G. L., Linhares, W. M. R., & Silva, J. G. da. (2021). Alterações posturais e nível de dor em mães com bebês de colo: um estudo transversal. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 11(3), 501–509. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i3.3893

Edição

Seção

Artigos Originais