Mobilização precoce a prática do fisioterapeuta intensivista: intervenções e barreiras

Autores

  • Francisca Vitória dos Santos Paulo Centro Universitário Christus - Unichristus, Acadêmica de Fisioterapia
  • Márcia Cardinalle Correia Viana Hospital Geral Dr. César Cals - HGCC, Fisioterapeuta
  • Andrea Stopiglia Guedes Braide Escola de Saúde Pública do Ceará - ESP, Fisioterapeuta
  • Marcus César Silva de Morais Hospital Regional Unimed - HRU, Fisioterapeuta
  • Virgínia Maria Bezerra Malveira Centro Universitário Christus - Unichristus, Acadêmica de Fisioterapia

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i2.3586

Palavras-chave:

Mobilização Precoce. Terapia Intensiva. Fraqueza Muscular. Fisioterapeuta.

Resumo

INTRODUÇÃO: Pacientes em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) requerem longos períodos de internação, estando submetidos ao imobilismo, que resulta em perda significativa de massa muscular. A mobilização precoce é uma terapêutica realizada no ambiente de UTI e tem como objetivo diminuir o comprometimento funcional decorrente do período de internação. OBJETIVO: analisar a prática de mobilização precoce realizada pelo fisioterapeuta intensivista, identificar as principais intervenções utilizadas por esses profissionais e descrever as barreiras encontradas que inviabilizam a prática da mobilização precoce, em pacientes internados em unidades de terapia intensiva. METODOLOGIA: Estudo de campo, quantitativo e transversal, realizado entre fevereiro e maio de 2020, com fisioterapeutas intensivistas de três hospitais na cidade de Fortaleza, a saber dois deles são da rede pública (um municipal e outro estadual) e o outro de rede privada. Foram inclusos no estudo fisioterapeutas intensivistas atuantes nos hospitais mencionados e que possuam vínculo com a instituição. Foram excluídos os fisioterapeutas na função de residentes, estagiários e preceptores presentes. Para coleta de dados foi utilizado o formulário eletrônico on-line viabilizada por meio do aplicativo Google Forms. Os dados foram analisados e tabulados através do Software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) versão 20.0. A estatística descritiva, com frequências absolutas e relativas foi utilizada para caracterizar o perfil da amostra estudada. Os testes estatísticos aplicados foram o Qui-Quadrado para determinar diferenças nas respostas dos critérios de segurança e barreiras para implementação da mobilização precoce e o tempo de experiência em unidade de terapia intensiva e o Kruskal-Wallis para comparar as intervenções de mobilização precoce entre grupos de Fisioterapeutas dos três hospitais. RESULTADOS: Participaram da pesquisa 68 fisioterapeutas, a maioria (36,8%) com tempo de atuação na terapia intensiva de 6 a 10 anos. O gerenciamento da mobilização precoce é realizado em sua maioria apenas pelo fisioterapeuta. Acerca da utilização de escalas funcionais utilizadas em UTI, a Medical Research Council (MRC) foi a mais citada pelos profissionais com (67,7%). A estratégia de mobilização mais utilizada foi a sedestação (91,2%). O desconforto respiratório foi a situação clínica mais citada para a interrupção da mobilização precoce (83,8%). CONCLUSÃO: As intervenções mais frequentes foram a sedestação, uso do cicloergômetro e transferências leito poltrona. As barreiras relacionadas ao paciente foram a instabilidade hemodinâmica, uso de drogas sedativas e analgésicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-05-19

Como Citar

dos Santos Paulo, F. V., Cardinalle Correia Viana, M., Stopiglia Guedes Braide, A., Silva de Morais, M. C., & Bezerra Malveira, V. M. (2021). Mobilização precoce a prática do fisioterapeuta intensivista: intervenções e barreiras. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 11(2), 298–306. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i2.3586

Edição

Seção

Artigos Originais