Riscos biomecânicos e ocupacionais em uma central de materiais e esterilização

Autores

  • Jihad Ali Ibrahim Iskandar Universidade Federal do Paraná
  • Ana Luiza Pedrini Muzeka Discente de Fisioterapia da Universidade Federal do Paraná ORCID:0000-0002-7327-3128
  • Cecília Motter Haus Filiação Institucional: Discente do Colégio Marista Paranaense ORCID: 0000-0002-3618-7925
  • Felipe Afonso Ramos Pereira de Melo Filiação Institucional: Discente do Colégio Marista Paranaense ORCID: 0000-0003-0739-9723
  • Arlete Ana Motter Filiação Institucional: Professor Associado da Universidade Federal do Paraná ORCID: 0000-0002.2585-207X

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i2.3503

Palavras-chave:

Distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho. Saúde do trabalhador. Enfermagem.

Resumo

INTRODUÇÃO: Os profissionais que atuam na central de material e esterilização (CME) possuem a função de recepcionar, limpar, esterilizar, embalar e armazenar utensílios utilizados em cirurgias no hospital. Trata-se assim, de uma profissão de grande exigência física e mental, com alta carga de trabalho e estresse. OBJETIVO: analisar os riscos biomecânicos e os sintomas osteomioarticulares de servidores da CME de um complexo hospitalar público. Materiais e MÉTODOS:   um estudo observacional, prospectivo que foi desenvolvido em um hospital público do sul do país. Participaram 20 profissionais, tais como auxiliares, técnicos e enfermeiros.  Os critérios de inclusão foram que o indivíduo atuasse na CME, ser auxiliar, técnico ou enfermeiro da CME ao menos a 6 meses, idade igual ou maior que 18 anos, de ambos os sexos e exercer qualquer função. Os critérios de exclusão, foram estar em período de férias ou licença saúde/capacitação no período de coleta de dados, trabalhar no setor a menos de 6 meses. Instrumentos de coleta: questionário sociodemográfico, internacional de atividade física (IPAQ) - versão curta e o Nórdico de Sintomas Osteomusculares. Resultados: Verificou-se que 85% dos profissionais são do sexo feminino; a idade média foi de 47 anos; 70% são auxiliares de enfermagem; 85% dos profissionais possuem filhos; 35% apresentaram dores em pescoço, punhos/mãos e quadril/coxas; 85% sentem dores de cabeça recorrentes; 50% já sofreram algum acidente de trabalho, sendo 80% com perfurocortantes. CONCLUSÃO: conclui-se que os servidores de CME tem riscos biomecânicos e ocupacionais, medidas preventivas devem ser adotadas para minimizar riscos à saúde física e mental dos mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Iskandar, J. A. I., Muzeka, A. L. P., Haus, C. M., de Melo, F. A. R. P., & Motter, A. A. (2021). Riscos biomecânicos e ocupacionais em uma central de materiais e esterilização. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 11(2), 287–297. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i2.3503

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)