A influência do Método Canguru no tempo de internação do recém-nascido prematuro em unidades hospitalares: uma revisão integrativa

Autores

  • Ariana Prazeres dos Santos Secretaria da Saúde do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil http://orcid.org/0000-0003-0699-896X
  • Catharina Oliveira Sapucaia Fisioterapeuta intensivista da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal da Maternidade de Referência Professor José Maria de Magalhães Neto. Preceptora de estágio em Neuropediatria na faculdade Ruy Barbosa http://orcid.org/0000-0002-4607-8597

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i1.3399

Palavras-chave:

Método Canguru. Prematuridade. Tempo de hospitalização.

Resumo

INTRODUÇÃO: A prematuridade no Brasil corresponde a 12,4% dos nascidos vivos e é definida como o nascimento inferior a 37 semanas de gestação. Por conta da imaturidade de órgãos e sistemas, o recém-nascido pode apresentar diversas complicações e consequentemente maior tempo de internação nas unidades hospitalares, levando à uma maior morbidade e mortalidade nesta população. O período de internação dificulta o estabelecimento do vínculo entre os recém-nascidos e os seus pais. Por isso, técnicas como o método canguru que visam fortalecer esse vínculo são cada vez mais estudadas e aplicadas nestas unidades. O objetivo do presente trabalho é avaliar através de uma revisão de literatura, se o método canguru influencia no tempo de internação do recém-nascido prematuro em unidades hospitalares. MÉTODO: Trata-se de um estudo de revisão integrativa de literatura com busca de artigos nas bases de dados eletrônicas Portal Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), PubMed, Cochrane, Physiotherapy Evidence Database (PEDro) e EBSCO host com a utilização do cruzamento de quatro descritores em inglês e português indexados respectivamente no Medical Subject Headings (MeSH) e Descritores em Ciências da Saúde (DeCS). Foram inclusos estudos publicados no período 2008 a 2020. RESULTADOS: Foram incluídos 22 artigos com um total de 7.564 pacientes e sete parâmetros relacionados à alta hospitalar. Os resultados evidenciaram melhora nos sinais vitais, quadro álgico, sono, taxas de crescimento, regulação hormonal e facilitação neurocomportamental. CONCLUSÃO: Os achados indicaram que o método canguru influencia na melhora do quadro clínico do recém-nascido prematuro, contribuindo para uma melhor estabilização do quadro e consequente redução no período de internamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-02-18

Como Citar

dos Santos, A. P., & Sapucaia, C. O. (2021). A influência do Método Canguru no tempo de internação do recém-nascido prematuro em unidades hospitalares: uma revisão integrativa. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 11(1), 252–272. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v11i1.3399

Edição

Seção

Revisões de Literatura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)