Efeitos da atividade física na histomorfometria muscular esquelética de modelo tumoral murino de caquexia

Autores

  • Tayrine Resende de Oliveira Graduada em Educação Física Bacharelado da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)
  • João Vitor Nunes Lopes Faculdade integradas Funorte
  • Iaggo Raphael David Docente, mestrando, Professor do Dep. de Educação Física da Universidade Paulista (UNIP) de Vitória da Conquista – Bahia.
  • Frederico Sander Mansur Machado Docente, doutor, Professor do Dep. de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).
  • Mariana Rocha Alves Estudante, mestre, Programa de Pós-Graduação em Neurociências da Universidade Federal Fluminense (UFF).
  • Alfredo Mauricio Batista de Paula Docente, pós-doutor, Professor do Dep. de Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).
  • Renato Sobral Monteiro Júnior Docente, doutor, pós-doutor, Professor do Dep. de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).
  • Vinicius Dias Rodrigues Docente, doutor, Professor do Dep. de Educação Física e do Desporto da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v10i4.3253

Palavras-chave:

Roedores. Câncer. Sarcopenia. Atividade locomotora.

Resumo

INTRODUÇÃO: A caquexia associada ao câncer (CAC) é uma síndrome paraneoplásica que ocorre com indivíduos com câncer que é caracterizada pela diminuição gradual de tecidos muscular esquelética e de tecido adiposo, promovendo um quadro de consumação física do indivíduo. A ocorrência de CAC determina de forma significativa a uma pior qualidade de vida e de sobrevida de indivíduos com câncer. A CAC não pode ser revertida pelo amparo nutricional convencional. Tratamentos não-farmacológicos empregados para a CAC tem reportado a realização de atividade física para possibilitar adaptações neurais e de hipertrofia muscular em indivíduos com a síndrome. OBJETIVO: Verificar os efeitos da atividade física em ambiente enriquecido na histomorfometria da musculatura esquelética de camundongos C57BL/6 submetidos ao modelo tumoral murino de caquexia associada ao câncer (CAC) MÉTODOS: Foram utilizados 38 camundongos C57BL/6 fêmeas, distribuídos aleatoriamente nos grupos de estudo. Todos os animais foram submetidos ao modelo tumoral murino singênico de Melanoma Cutâneo (MTMSMC) com a inoculação subcutânea de células B16F10. Os grupos de estudo são animais do experimento diagnostico CRC (n = 12), animais sedentários (n = 11) e animais submetidos à prática de atividade física em ambiente enriquecido (n = 15). O seguimento do estudo ocorreu por um período de dez dias. Após esse momento, todos os animais foram sacrificados e amostras de tecido muscular esquelético do gastrocnêmio foram submetidas às análises histomorfométricas. RESULTADOS: Os resultados da análise inferencial do peso absoluto e relativo muscular esquelético não diferiram entre os grupos do estudo. Todas as comparações das variáveis apresentaram tamanho do efeito pequeno. A análise histomorfométrica muscular revelou que a área da fibra muscular não diferiu entre os grupos do estudo. Contudo, essa área muscular, apresentou tamanho do efeito pequeno. CONCLUSÃO: Os resultados apresentados mostraram que a realização de atividade física no ambiente enriquecido não influenciou na área da fibra do músculo do gastrocnêmio de camundongos C57BL/6 submetidos ao MTMSMC, associada à CAC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-11-27

Como Citar

de Oliveira, T. R., Nunes Lopes, J. V., David, I. R., Mansur Machado, F. S., Rocha Alves, M., Batista de Paula, A. M., Monteiro Júnior, R. S., & Dias Rodrigues, V. (2020). Efeitos da atividade física na histomorfometria muscular esquelética de modelo tumoral murino de caquexia. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 10(4), 642–647. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v10i4.3253

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)