Impacto da COVID-19 na gravidade e prognóstico de indivíduos com obesidade: uma revisão sistemática

Autores

  • Tamires Alexandrina de Araújo Centro Universitário Dom Pedro II - UNIDOM Salvador/BA/Brasil
  • Renata Ferreira de Moura Universidade Salvador - UNIFACS Feira de Santana/Bahia/Brasil
  • Nathielly Oliveira de Almeida Faculdade de Ciências e Empreendedorismo - FACEMP Santo Antônio de Jesus/Bahia/Brasil

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v10i4.3210

Palavras-chave:

Prognóstico. Gravidade do paciente. Infecções por coronavírus. Obesidade.

Resumo

INTRODUÇÃO: A maioria dos pacientes com obesidade apresenta resistência à insulina e hiperatividade do sistema renina-angiotensina-aldosterona, o que pode estar relacionado aos piores resultados perante infecção pelo SARS-CoV 2. Além disso, a enzima conversora de angiotensina 2 tem maior expressão no tecido adiposo quando comparado com o pulmão, sendo suscetível a invasão do vírus nos adipócitos tornando-o um importante reservatório viral permitindo propagação para demais órgãos. OBJETIVO: Identificar se a obesidade pode ser preditor de maior gravidade e pior prognóstico da Doença do Coronavírus 2019 (COVID-19). MATERIAIS E MÉTODOS: Revisão sistemática sob o código PROSPERO CRD42020200617 com estudos observacionais através das bases de dados PubMed, Portal Regional da BVS, SciELO, Science Direct e Cochrane, e buscas manuais por meio do cruzamento “Prognosis" OR “Patient Acuity” AND "Coronavirus Infections" AND "Obesity”. Foram incluídos estudos observacionais que avaliaram o impacto da COVID-19 em indivíduos com obesidade de ambos os sexos que apresentaram pontuação ?7 na escala Newcastle-Ottawa. RESULTADOS: Foram incluídos 9 estudos totalizando uma amostra de 179.047 pacientes adultos com idade entre 18 a 80 anos, com IMC mínimo <24 kg/m2 e máximo >35 kg/m2. Verificou-se que indivíduos com obesidade apresentam aumento das taxas de admissão de cuidados agudos e críticos, necessidade ventilação mecânica invasiva (VMI), pneumonia e desenvolvem COVID-19 grave, aumentando assim seu tempo de permanência hospitalar. CONCLUSÃO: Indivíduos com obesidade desenvolvem maior gravidade e pior prognóstico da COVID-19, visto que apresentam aumento das taxas de admissão de cuidados agudos e críticos, necessidade de VMI, tempo de permanência hospitalar, gravidade e letalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tamires Alexandrina de Araújo, Centro Universitário Dom Pedro II - UNIDOM Salvador/BA/Brasil

Fisioterapeuta pelo Centro Universitário Dom Pedro II.

Renata Ferreira de Moura, Universidade Salvador - UNIFACS Feira de Santana/Bahia/Brasil

Fisioterapeuta pela Universidade Salvador - UNIFACS

Nathielly Oliveira de Almeida, Faculdade de Ciências e Empreendedorismo - FACEMP Santo Antônio de Jesus/Bahia/Brasil

Fisioterapeuta pela Faculdade de Ciências e Empreendedorismo - FACEMP

Publicado

2020-11-27

Como Citar

Alexandrina de Araújo, T., Ferreira de Moura, R., & Oliveira de Almeida, N. (2020). Impacto da COVID-19 na gravidade e prognóstico de indivíduos com obesidade: uma revisão sistemática. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 10(4), 764–773. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v10i4.3210

Edição

Seção

Revisões de Literatura

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)