Prevalência de extubação não planejada e fatores associados em uma unidade de terapia intensiva neonatal

Maria Clara Mattos, Gabriela Andrioli Silva, Marimar Goretti Andreazza, Fernanda Staub Rodrigues, Isabella Correa de Oliveira, Monica Nunes Lima Cat

Resumo


INTRODUÇÃO: Intubação endotraqueal é procedimento comum nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatais e tem como evento adverso a extubação não planejada, um incidente grave, associado a morbidade neonatal. OBJETIVO: Verificar a prevalência de extubação não planejada e fatores associados em recém-nascidos submetidos à ventilação mecânica na unidade de terapia intensiva neonatal por condições respiratórias, cardíacas ou por pós-operatório. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo transversal, retrospectivo realizado entre março a dezembro de 2017. Os dados foram coletados da ficha de notificação do serviço e incluíram: sexo, peso no momento do evento, comorbidades do paciente, data e hora de ocorrência, condições associadas e conduta pós-extubação. RESULTADOS: Em 38 recém-nascidos em ventilação mecânica foram registrados 72 eventos, a prevalência da extubação não planejada de 4,6%. Entre os fatores identificados, peso inferior a 1.500g foi observado em 20 recém-nascidos (52,6%) e prematuridade em 25 (65,8%). Em 15 recém-nascidos (39,5%) houve mais de um evento/paciente. Peso inferior a 2.500g esteve associado a um risco 6 vezes maior de recorrência do incidente. As condições associadas aos eventos foram agitação motora do recém-nascido (50%), manuseio da cânula endotraqueal (28,3%) e durante procedimentos de rotina do recém-nascido (21,7%). Reintubação foi necessária em 58 casos (80,5%), sendo imediata em 20 (34,5%). CONCLUSÃO: A agitação motora e o manuseio da cânula endotraqueal, portanto, foram os fatores mais associados aos eventos, a recorrência foi mais frequente em recém-nascido com peso inferior a 2.500g. Medidas de prevenção devem incluir o manejo adequado da agitação motora do recém-nascido e implementação de protocolos de manuseio da cânula endotraqueal.


Palavras-chave


Extubação não planejada. Prematuridade. Segurança do paciente.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v10i3.3047

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Maria Clara Matos, Marimar Goretti Andreazza, Gabriela Andriolli Silva, Fernanda Staub Rodrigues, Isabella Correa de Oliveira, Monica Nunes Lima Cat

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

A RPF foi indexada e/ou catalogada nas seguintes bases de dados:

                                                  

 

Revista Pesquisa em Fisioterapia | ISSN: 2238-2704

Site atualizado em 28/02/2018

Licença Creative Commons