Frequência e severidade de sintomas de disfunção temporomandibular em praticantes de Crossfit®: estudo transversal

Autores

  • Ana Karolina Marusco Kaminiecki Bacharel em Educação Física pelas Faculdades Integradas de Jaú - Fundação Dr. Raul Bauab, Jaú, São Paulo, Brasil. E-mail: anakarolinamk@bol.com.br. ORCID: 0000-0001-8361-9367
  • Giovanna Castilho Davatz Faculdades Integradas de Jaú - Fundação Dr. Raul Bauab - Jahu

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v10i2.2744

Palavras-chave:

Transtornos da Articulação Temporomandibular. Levantamento de Peso. Bruxismo.

Resumo

INTRODUÇÃO: O levantamento de peso tem sido associado ao hábito do apertamento dentário e, consequentemente, à predisposição de disfunção temporomandibular (DTM). Mesmo o CrossFit® sendo uma modalidade que trabalha com levantamento de peso, não foram encontrados artigos que investigaram a DTM em seus praticantes. OBJETIVO: Estimar a frequência e severidade dos sintomas de disfunções temporomandibulares em praticantes de CrossFit® e verificar se há relação com a participação em competições ou o tempo de prática da modalidade. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo transversal realizado nos três boxes de CrossFit® existentes no município de Jaú/SP. Praticantes pertencentes ao sexo masculino, com idade entre 20 e 40 anos, foram avaliados utilizando-se o Índice Anamnésico de Fonseca. As variáveis de desfecho foram o escore de sintomas e grau de severidade da DTM, além da participação em competições e o tempo de prática da modalidade. Houve aprovação da pesquisa pelo Comitê de Ética das Faculdades Integradas de Jaú (CAAE 91712418.3.0000.5427). RESULTADOS: Dos 52 participantes da pesquisa, 40,4% possuem sintomas de DTM. Desses, 38,4% de grau leve e 2,0% de grau moderado. Não foi encontrada diferença estatística comparando-se o tempo de prática ou competidores e não competidores. CONCLUSÃO: A frequência de sintomas de DTM em praticantes de CrossFit é de 40,4%. O grau de severidade predominante foi o leve. Não foi encontrada relação entre o aumento da frequência e o tempo de prática da modalidade ou o fato de ser competidor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanna Castilho Davatz, Faculdades Integradas de Jaú - Fundação Dr. Raul Bauab - Jahu

Fonoaudióloga, Mestre em Ciências, Aluna de Doutorado do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Bioengenharia – EESC/FMRP/IQSC-USP - docente de Anatomia Humana das Faculdades Integradas de Jaú - Fundação Dr. Raul Bauab - Jahu

Publicado

2020-04-22

Como Citar

Kaminiecki, A. K. M., & Davatz, G. C. (2020). Frequência e severidade de sintomas de disfunção temporomandibular em praticantes de Crossfit®: estudo transversal. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 10(2), 156–162. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v10i2.2744

Edição

Seção

Artigos Originais