Riscos ergonômicos e biomecânicos ocupacionais no transporte de pacientes no centro cirúrgico: pesquisa qualiquantitativa de estudo transversal

Autores

  • Vanessa Silva de Quevedo Graduanda do curso de Fisioterapia na Universidade Federal do Paraná
  • Arlete Ana Motter Universidade Federal do Paraná, Departamento de Reabilitação e Prevenção em Fisioterapia Curitiba-PR
  • Rubia Bayerl Estudante de Fisioterapia da Universidade Federal do Paraná Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia Curitiba, Paraná
  • Flávia Cristina Miranda Graduanda do curso de Fisioterapia pela Universidade Federal do Paraná Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia Curitiba, PR
  • Paula Chomem Fisioterapeuta pela Universidade Federal do Paraná Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia Fisioterapeuta Residente do Complexo Hospital das Clínicas, UFPR Curitiba, PR
  • Angela Luiza Cunha Legey Estatística pela Universidade Federal do Paraná Departamento de Estatística Mestranda no Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva- Setor de Ciências da saúde Curitiba, PR

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v9i4.2580

Palavras-chave:

Análise ergonômica. Enfermagem. Centro cirúrgico. Riscos ocupacionais.

Resumo

OBJETIVO: Investigar os riscos ergonômicos e biomecânicos ocupacionais em profissionais da enfermagem no transporte de pacientes, no centro cirúrgico de um hospital público. METODOLOGIA: Estudo de caráter exploratório, observacional e descritivo. Para tanto, utilizou-se o Questionário Internacional da Atividade Física (IPAQ), que analisa diferentes contextos do cotidiano para estimar o tempo semanal gasto em caminhadas, atividades físicas de intensidade moderada, vigorosa e atividades passivas (tempo sentado). O Questionário Nórdico, possibilita a identificação de distúrbios osteomusculares nos 12 meses e 7 dias anteriores à entrevista. Permite também um diagnóstico do posto de trabalho pela sua relação com a prevalência do local e tempo do surgimento dos sintomas dolorosos. Além disso, aplicou-se a metodologia da Análise Ergonômica do Trabalho (AET). RESULTADOS: De acordo com a análise dos dados coletados participaram deste estudo 44 profissionais da enfermagem, 32 (72,7%) eram do gênero feminino e 13 (29,54%) do gênero masculino. Quando analisado a especialidade: 24 (54,5 %) eram auxiliares de enfermagem, técnicos de enfermagem correspondem à 14 (31,8 %) e Enfermeiros 6 (13,6 %). O questionário IPAQ demonstrou que 16 (35%), destes profissionais mantém-se ativos. Por meio da análise ergonômica do trabalho, as variáveis como, tipo de maca, condições de manutenção, tipo de anestesia, idade do paciente, entre outros, interferem em maiores ou menores esforços no transporte de pacientes. CONCLUSÃO: Desse modo, tornam-se necessárias a adoção de medidas preventivas que visem a melhoria do estado de saúde prevenindo complicações musculoesqueléticas no desempenho das atividades. Além de promover boas condições de trabalho aos profissionais no seu ambiente profissional, bem como  trazer benefícios ao hospital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Silva de Quevedo, Graduanda do curso de Fisioterapia na Universidade Federal do Paraná

Departamento de Reabilitação e Prevenção em Fisioterapia
Curitiba-PR

Participo de pesquisa de ergonomia em centro cirúrgico como iniciação científica, Progetos de extensão, Progeto de iniciação a doscencia (Monitoria) todos pela universidade federal do paraná

Arlete Ana Motter, Universidade Federal do Paraná, Departamento de Reabilitação e Prevenção em Fisioterapia Curitiba-PR

Professora do departamento de Reabilitação e Prevenção em Fisioterapia

Rubia Bayerl, Estudante de Fisioterapia da Universidade Federal do Paraná Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia Curitiba, Paraná

Estudante de Fisioterapia da Universidade Federal do Paraná
Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia
Curitiba, Paraná

Flávia Cristina Miranda, Graduanda do curso de Fisioterapia pela Universidade Federal do Paraná Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia Curitiba, PR

Graduanda do curso de Fisioterapia pela Universidade Federal do Paraná
Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia
Curitiba, PR

Paula Chomem, Fisioterapeuta pela Universidade Federal do Paraná Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia Fisioterapeuta Residente do Complexo Hospital das Clínicas, UFPR Curitiba, PR

Fisioterapeuta pela Universidade Federal do Paraná
Departamento de Prevenção e Reabilitação em Fisioterapia
Fisioterapeuta Residente do Complexo Hospital das Clínicas, UFPR
Curitiba, PR

Angela Luiza Cunha Legey, Estatística pela Universidade Federal do Paraná Departamento de Estatística Mestranda no Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva- Setor de Ciências da saúde Curitiba, PR

Estatística pela Universidade Federal do Paraná
Departamento de Estatística
Mestranda no Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva- Setor de Ciências da saúde
Curitiba, PR

Publicado

2019-11-29

Como Citar

Quevedo, V. S. de, Motter, A. A., Bayerl, R., Miranda, F. C., Chomem, P., & Legey, A. L. C. (2019). Riscos ergonômicos e biomecânicos ocupacionais no transporte de pacientes no centro cirúrgico: pesquisa qualiquantitativa de estudo transversal. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 9(4), 505–516. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v9i4.2580

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)