Parâmetros para reabilitação da marcha em pessoas com Paraparesia Espástica Tropical: estudo transversal

Autores

  • Sandra Corradini Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (Salvador)
  • Renata de Sousa Mota
  • Maíra Macêdo
  • Marina Brasil
  • Selena Márcia Dubois-Mendes
  • Katia Nunes Sá

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v9i1.2201

Palavras-chave:

Marcha. Paraparesia Espástica Tropical. Especialista em Fisioterapia. Reabilitação. Vírus Linfotrópico Humano 1.

Resumo

INTRODUÇÃO: A marcha de pessoas com mielopatia associada ao HTLV-1 ou paraparesia espástica tropical (HAM/TSP) é pouco conhecida. OBJETIVO: Avaliar o perfil cinemático da marcha em pessoas com HAM/TSP. MÉTODOS: Estudo transversal com 25 pessoas com HAM/TSP e 25 participantes saudáveis. Os dados espaço-temporais e angulares das filmagens da marcha foram submetidos à análise cinemática. A marcha dos participantes com HAM/TSP foi analisada quantitativamente pelo sistema CVMob (alfa de 5% e poder de 80%).  O projeto foi aprovado pelo comitê de ética da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública sob o CAAE 13568213.8.0000.5544. RESULTADOS: O grupo HAM/TSP apresentou alterações significativas em dois domínios distintos da análise biomecânica da marcha quando comparados aos controles saudáveis. As variáveis angulares apresentaram maior inclinação, flexão e extensão do tronco (p <0,05); aumento da flexão do quadril e diminuição da extensão do quadril (p <0,05); diminuição da flexão e extensão do joelho (p <0,05); diminuição da dorsal do tornozelo e flexão plantar (p <0,05). A amplitude de movimento também foi reduzida em todas essas articulações. As variáveis espaço-temporais mostraram diminuição do comprimento da passada e aumento do tempo da passada e velocidade do ciclo da marcha (p <0,001). Essas mudanças apontam para redução nas amplitudes articulares do quadril, joelho e tornozelo, mudanças na base de apoio e assimetria do tempo de suporte duplo entre os lados direito e esquerdo, redução do tempo pré-balanço, elevação do quadril no balanço médio e queda do pé ao longo o balanço. CONCLUSÃO: As pessoas com HAM/TSP apresentam marcha caracterizada por redução nas amplitudes articulares do quadril, joelho e tornozelo, assimetria do tempo de suporte duplo entre os lados direito e esquerdo, redução do tempo pré-balanço, elevação do quadril no balanço médio e queda do pé ao longo o balanço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Corradini, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (Salvador)

Lattes.cnpq.br/4313045041004715 ORCID - 0000-0002-0255-4379

Publicado

2019-02-01

Como Citar

Corradini, S., Mota, R. de S., Macêdo, M., Brasil, M., Dubois-Mendes, S. M., & Sá, K. N. (2019). Parâmetros para reabilitação da marcha em pessoas com Paraparesia Espástica Tropical: estudo transversal. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 9(1), 18–27. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v9i1.2201

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>