Prevalência de Síndrome da Estafa Profissional e fatores associados em fisioterapeutas intensivistas

Autores

  • Cleide Lucilla Carneiro Santos Universidade Estadual de Feira de Santana - BA
  • Gabriella Bené Barbosa Universidade Estadual de Feira de Santana - BA
  • Deise Santos Silva Nascimento Universidade Estadual de Feira de Santana - BA
  • Davi Félix Martins Júnior Universidade Estadual de Feira de Santana - BA
  • Carlito Lopes Nascimento Sobrinho Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v8i3.2032

Palavras-chave:

Esgotamento profissional. Fisioterapeutas. Prevalência. Unidade de Terapia Intensiva.

Resumo

INTRODUÇÃO: Os estudos sobre síndrome de burnout em fisioterapeutas intensivistas são raros e muitos desses profissionais ainda desconhecem esta síndrome. OBJETIVO: Estimar a prevalência e os fatores associados da Síndrome da Estafa Profissional (burnout), em Fisioterapeutas trabalhadores de Unidade de Terapia Intensiva adulto, pediátrica e neonatal de uma cidade da Bahia. MÉTODOS: Estudo epidemiológico de corte transversal, em uma população de 60 fisioterapeutas trabalhadores de Terapia Intensiva na cidade de Feira de Santana, Bahia. Um questionário autoaplicável avaliou dados sociodemográficos, características do trabalho e a síndrome de burnout por meio do Maslach Burnout Inventory (MBI). RESULTADOS: 51,7% trabalhavam em UTI adulto, 20,0% em UTI pediátrica e 28,3% em UTI neonatal, muitos profissionais trabalhavam em duas ou mais unidades, 80,0% do sexo feminino e 20,0% do sexo masculino, com média de idade de 32,2 ± 4,9, 55,0% era solteiro e 45,0% tinha companheiro, 58,3% não tinham filhos e 41,7% tinham filhos. A prevalência da síndrome de burnout foi de 33,3%, considerando - se o nível alto em pelo menos uma das três dimensões do MBI. CONCLUSÃO: Observou-se elevada prevalência da síndrome de burnout entre os fisioterapeutas intensivistas estudados. Os resultados estimulam a se continuar investigando as condições de trabalho e outros fatores que podem estar associados a essa elevada prevalência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleide Lucilla Carneiro Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

Fisioterapeuta, Mestre do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS Feira de Santana –BA.

Gabriella Bené Barbosa, Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

Cirurgiã-Dentista, Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS Feira de Santana –BA.

Deise Santos Silva Nascimento, Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

Enfermeira, Mestre em Enfermagem Profissional pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS Feira de Santana –BA.

Davi Félix Martins Júnior, Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

Professor do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS Feira de Santana –BA

Carlito Lopes Nascimento Sobrinho, Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

Professor Titular do Departamento de Saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS Feira de Santana –BA.

Publicado

2018-09-17

Como Citar

Santos, C. L. C., Barbosa, G. B., Nascimento, D. S. S., Martins Júnior, D. F., & Nascimento Sobrinho, C. L. (2018). Prevalência de Síndrome da Estafa Profissional e fatores associados em fisioterapeutas intensivistas. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 8(3), 336–344. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v8i3.2032

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)