Prevalência de sinais e sintomas para Disfunção Temporomandibular em lutadores de boxe

Autores

  • Yuri Santos Duplat Universidade Católica do Salvador
  • Achilles Motta Nunes

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v8i2.1882

Palavras-chave:

Articulação temporomandibular. Transtornos da ATM. Boxe. Traumatismos em atletas.

Resumo

INTRODUÇÃO: A disfunção temporomandibular (DTM) possui origem multifatorial, sendo os mais relevantes: fatores psicossociais, fisiopatológicos e traumáticos. O boxe é considerado um fator traumático por ser um esporte de contato que impõe grande energia cinética no seu gestual esportivo, que pode afetar a face e, consequentemente, a ATM, com 10% dos atletas podendo sofrer uma lesão facial, representando uma possível predisposição à DTM. OBJETIVOS: Estimar a prevalência de sinais e sintomas para DTM em lutadores de boxe, verificar se o uso do protetor bucal altera a intensidade de sinais e sintomas da DTM e verificar a diferença de variação dos sinais e sintomas em lutadores de boxe amador ou profissional. MÉTODOS: Estudo transversal, realizado em uma academia de boxe, na cidade de Salvador, Bahia, Brasil em Abril/2017. Lutadores de boxe foram avaliados pelo Índice Anamnésico de Fonseca. As variáveis foram analisadas através do teste t-Student e o nível de significância estabelecido foi de 5%. Seguiu as normas da Resolução 466/12, e obteve aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Católica do Salvador (CAAE 64281616.8.0000.5628). RESULTADOS: 51% dos atletas não possuem DTM, 43,1% possuem DTM leve, 5,9% possuem DTM moderada, nenhum participante apresentou DTM severa. Atletas que participam de campeonatos apresentaram maior prevalência de sintomatologia para DTM que os que não participam (p<0,05). CONCLUSÃO: Houve associação entre participação em campeonatos e presença de DTM, demonstrando que atletas de competição apresentam predisposição ao desenvolvimento da disfunção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2018-05-09

Como Citar

Santos Duplat, Y., & Motta Nunes, A. (2018). Prevalência de sinais e sintomas para Disfunção Temporomandibular em lutadores de boxe. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 8(2), 191–198. https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v8i2.1882

Edição

Seção

Artigos Originais