ALTERAÇÕES OSTEOMUSCULARES EM TÉCNICOS DE ENFERMAGEM EM UM AMBIENTE HOSPITALAR

Caroline Souza Andrade Rocha, Carolina Barbosa da Silva, Mansueto Gomes Neto, Bruno Prata Martinez

Resumo


Introdução: As afecções osteomusculares relacionadas ao trabalho são consideradas um problema de saúde pública. Surgem de forma insidiosa e podem progredir, causando incapacidade laboral temporária ou permanente. A equipe de técnicos de enfermagem no ambiente hospitalar é uma população de risco para alterações osteomusculares, tornando-se necessária a avaliação da prevalência destes sintomas. Objetivo: Identificar alterações osteomusculares em técnicos de enfermagem em um ambiente hospitalar. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo descritivo e transversal, realizado com 60 técnicos de enfermagem de um ambiente hospitalar, com uma idade média de 32,8 ± 8,9 anos, e com predomínio do sexo feminino (93,3%). Foram coletados os dados demográficos como idade, altura, peso, gênero, estado civil, local de trabalho, tempo de serviço e jornada de trabalho. O instrumento de avaliação utilizado para identificar a ocorrência de alterações osteomusculares foi o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO). Resultados: A prevalência de dor em algumas regiões do corpo nos últimos 12 meses foi de 63,3% na região lombar, 56,7% em tornozelos e pés e 51,7% em ombros. Nos últimos 7 dias 38,3% dos indivíduos sentiram dor nos tornozelos e pés e 16,7% faltaram ao trabalho por conta de dor nos joelhos. Os participantes tinha uma média de 4,3 ± 5,9 anos de atuação no serviço. Conclusão: Foi observado uma alta prevalência de sintomas osteomusculares em técnicos de enfermagem, principalmente na região lombar, nos tornozelos, pés e ombros, provavelmente devido a posturas inadequadas e a alta demanda de trabalho.


Palavras-chave


Técnicos de enfermagem; Sintomas osteomusculares; Hospital

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho AJFP, Alexandre NMC. Sintomas osteomusculares em professores do ensino fundamental. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2006; 10(1): 35-41.

Murofuse NT, Marziale MHP. Mudanças no trabalho e na vida de bancários portadores de lesões por esforços repetitivos: LER. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2001; 9(4): 19-25.

Picoloto D, Silveira E. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas - RS. Ciênc. & saúde coletiva. 2008; 13(2): 507-516.

Baptista PCP, Merighi MAB, Silva A. Angústia de mulheres trabalhadoras de enfermagem que adoecem por distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem. 2011; 64(3): 438-444.

Magnago TS, Lisboa MTL, Souza IEO, Moreira MC. Distúrbios musculo-esqueléticos em trabalhadores de enfermagem: associação com condições de trabalho. Rev. bras. enfermagem. 2007; 60(6): 701-705.

Mergener RC, Kehrig TR, Traebert J. Sintomatologia músculo-esquelética relacionada ao Trabalho e Sua Relação com Qualidade de Vida in Bancários do Meio Oeste Catarinense. Soc Saude. 2008; 17(4): 171-181.

Mendes LF, Lancman S. Reabilitação de pacientes com LER/DORT: Contribuições da fisioterapia em grupo. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 2010; 35(121): 23-32.

Instrução Normativa INSS/DC Nº 98 de 05 de Dezembro de 2003. Dispõe sobre atualização clínica das Lesões por Esforços Repetitivos (LER)/ Distúrbios Osteomusculares Relacionados Ao Trabalho (DORT). Diario Oficial da União 2003.

Leite PC, Merighi MAB, Silva A. A vivência de uma trabalhadora de enfermagem portadora de lesão “De Quervain”. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2007; 15(2): 253-258.

Augusto VG, Sampaio RF, Tirado MGA, Mancini MC, Parreira VF. Um olhar sobre as LER/DORT no contexto clínico do fisioterapeuta. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2008; 12(1): 49-56.

Barbosa MSA, Santos RM, Trezza MCSF. A vida do trabalhador antes e após a Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e Doença Osteomuscular Relacionada ao Trabalho (DORT). Rev. bras. enfermagem. 2007; 60(5): 491-496.

Tomasi E, Sant’anna GC, Oppelt AM, Petrini RM, Pereira IV, Sassi BT. Condições de trabalho e automedicação em profissionais da rede básica de saúde da zona urbana de Pelotas, RS. Rev. bras. epidemiol. 2007; 10(1): 66-74.

Coluci, MZO, Alexandre NMC. Adaptação cultural de instrumento que avalia atividades do trabalho e sua relação com sintomas osteomusculares. Acta Paul Enferm. 2009; 22(2): 149-154.

Célia RCRS, Alexandre NMC. Aspectos ergonômicos e sintomas osteomusculares em um setor de transporte de pacientes. Rev. Gaúcha Enferm. 2004; 25(1): 33-43.

Batiz EC, Vergara LGL, Licea OEA. Análise comparativa entre métodos de carregamento de cargas e análise postural de auxiliares de enfermagem. Produção. 2012; 22 (2): 270-283.

Filho FL, Silva AAM, Lopes JMA, Lamy ZC, Simões VMF, Santos AM. Carga de trabalho de profissionais da saúde e eventos adversos durante ventilação mecânica em unidades de terapia intensiva neonatal. Jornal de Pediatria. 2011; 87(6): 487-492.

Reis RJ, La Rocca PF, Silveira AM, Bonilla IML, Goné AN, Martín M. Fatores relacionados ao absenteísmo por doença em profissionais de enfermagem. Rev. Saúde Pública. 2003; 37(5): 616-623.

Gurgueira GP, Alexandre NMC, Filho HRC. Prevalência de Sintomas músculo-esqueléticos em trabalhadoras de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2003; 11(5): 608-613.

Brasil, Ministério Da Saúde. Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde/MS Sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, 10 de outubro de 1996.

Barros ENC, Alexandre NMC. Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. International Nursing Review. 2003; 50 (2): 101–108.

Pinheiro FA, Troccoli BT, Carvalho CV. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev. Saúde Pública. 2002; 36(3): 307-312.

Brandão AG, Horta BL, Tomasi E. Sintomas de Distúrbios osteomusculares em Bancários de Pelotas e Região: Prevalência e fatores associados. Rev. bras. epidemiol. 2005; 8(3): 295-305.

Filho SBS, Barreto SM. Atividade ocupacional e prevalência de dor osteomuscular em cirurgiões-dentistas de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: contribuição ao debate sobre os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Cad. Saúde Pública. 2001; 17(1): 181-193.

Siqueira GR, Cahú FGM, Vieira RAG. Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco. Rev. Brasileira de Fisioterapia. 2008; 12(3): 222-227.

Magnago TSBS, Lisboa MTL, Griep RH, Kirchhof ALC, Camponogara CQN et al. Condições de trabalho, características sociodemográficas e distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores de enfermagem. Acta Paul Enfermagem. 2010; 23(2): 187-193.

Mello MC, Fugulin FMT, Gaidzinsk RR. O tempo no processo de trabalho em saúde: uma abordagem sociológica. Acta Paul Enfermagem. 2007; 20(1): 87-90.

Ministério do Trabalho e Emprego (Br). Consolidação das leis do trabalho. Decreto-Lei nº 5452 de 1º de maio de 1943. Brasília (DF): LTr; 2007.

Freitas FCT, Barbosa LH, Alves LA, Marziale MHP, Robazzi MLCC. Avaliação Cinesiológica e Sintomatológica de Membros Inferiores de Costureiros Industriais. Rev. Enferm. 2009; 17(2): 170-175.

Carneiro LRV, Coqueiro RS, Freire MO, Barbosa AR. Sintomas de distúrbios osteomusculares em motoristas e cobradores de ônibus. Rev. Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2007; 9(3): 277-283.

Murofuse NT, Marziale MHP. Doenças do Sistema osteomuscular em Trabalhadores de Enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2005; 13(3): 364-373.




DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v3i1.160

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais



Revista Pesquisa em Fisioterapia | ISSN: 2238-2704

Site atualizado em 28/02/2018

Licença Creative Commons