ALTERAÇÕES OSTEOMUSCULARES EM TÉCNICOS DE ENFERMAGEM EM UM AMBIENTE HOSPITALAR

Autores

  • Caroline Souza Andrade Rocha Faculdade Social da Bahia.
  • Carolina Barbosa da Silva Faculdade Social da Bahia.
  • Mansueto Gomes Neto Universidade Federal da Bahia.
  • Bruno Prata Martinez Hospital Aliança,Faculdade Social da Bahia.

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v3i1.160

Palavras-chave:

Técnicos de enfermagem, Sintomas osteomusculares, Hospital

Resumo

Introdução: As afecções osteomusculares relacionadas ao trabalho são consideradas um problema de saúde pública. Surgem de forma insidiosa e podem progredir, causando incapacidade laboral temporária ou permanente. A equipe de técnicos de enfermagem no ambiente hospitalar é uma população de risco para alterações osteomusculares, tornando-se necessária a avaliação da prevalência destes sintomas. Objetivo: Identificar alterações osteomusculares em técnicos de enfermagem em um ambiente hospitalar. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo descritivo e transversal, realizado com 60 técnicos de enfermagem de um ambiente hospitalar, com uma idade média de 32,8 ± 8,9 anos, e com predomínio do sexo feminino (93,3%). Foram coletados os dados demográficos como idade, altura, peso, gênero, estado civil, local de trabalho, tempo de serviço e jornada de trabalho. O instrumento de avaliação utilizado para identificar a ocorrência de alterações osteomusculares foi o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (QNSO). Resultados: A prevalência de dor em algumas regiões do corpo nos últimos 12 meses foi de 63,3% na região lombar, 56,7% em tornozelos e pés e 51,7% em ombros. Nos últimos 7 dias 38,3% dos indivíduos sentiram dor nos tornozelos e pés e 16,7% faltaram ao trabalho por conta de dor nos joelhos. Os participantes tinha uma média de 4,3 ± 5,9 anos de atuação no serviço. Conclusão: Foi observado uma alta prevalência de sintomas osteomusculares em técnicos de enfermagem, principalmente na região lombar, nos tornozelos, pés e ombros, provavelmente devido a posturas inadequadas e a alta demanda de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Souza Andrade Rocha, Faculdade Social da Bahia.

Fisioterapeuta, graduada pela Faculdade Social da Bahia.

Carolina Barbosa da Silva, Faculdade Social da Bahia.

Fisioterapeuta, graduada pela Faculdade Social da Bahia.

Mansueto Gomes Neto, Universidade Federal da Bahia.

Fisioterapeuta, mestre em Ciências da Reabilitação pela UFMG. Docente da Universidade Federal da Bahia.

Bruno Prata Martinez, Hospital Aliança,Faculdade Social da Bahia.

Fisioterapeuta do Hospital Aliança. Docente da Faculdade Social da Bahia.

Fisioterapeuta do Hospital Aliança. Docente da Faculdade Social da Bahia.

Referências

Carvalho AJFP, Alexandre NMC. Sintomas osteomusculares em professores do ensino fundamental. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2006; 10(1): 35-41.

Murofuse NT, Marziale MHP. Mudanças no trabalho e na vida de bancários portadores de lesões por esforços repetitivos: LER. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2001; 9(4): 19-25.

Picoloto D, Silveira E. Prevalência de sintomas osteomusculares e fatores associados em trabalhadores de uma indústria metalúrgica de Canoas - RS. Ciênc. & saúde coletiva. 2008; 13(2): 507-516.

Baptista PCP, Merighi MAB, Silva A. Angústia de mulheres trabalhadoras de enfermagem que adoecem por distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem. 2011; 64(3): 438-444.

Magnago TS, Lisboa MTL, Souza IEO, Moreira MC. Distúrbios musculo-esqueléticos em trabalhadores de enfermagem: associação com condições de trabalho. Rev. bras. enfermagem. 2007; 60(6): 701-705.

Mergener RC, Kehrig TR, Traebert J. Sintomatologia músculo-esquelética relacionada ao Trabalho e Sua Relação com Qualidade de Vida in Bancários do Meio Oeste Catarinense. Soc Saude. 2008; 17(4): 171-181.

Mendes LF, Lancman S. Reabilitação de pacientes com LER/DORT: Contribuições da fisioterapia em grupo. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 2010; 35(121): 23-32.

Instrução Normativa INSS/DC Nº 98 de 05 de Dezembro de 2003. Dispõe sobre atualização clínica das Lesões por Esforços Repetitivos (LER)/ Distúrbios Osteomusculares Relacionados Ao Trabalho (DORT). Diario Oficial da União 2003.

Leite PC, Merighi MAB, Silva A. A vivência de uma trabalhadora de enfermagem portadora de lesão “De Quervain”. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2007; 15(2): 253-258.

Augusto VG, Sampaio RF, Tirado MGA, Mancini MC, Parreira VF. Um olhar sobre as LER/DORT no contexto clínico do fisioterapeuta. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2008; 12(1): 49-56.

Barbosa MSA, Santos RM, Trezza MCSF. A vida do trabalhador antes e após a Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e Doença Osteomuscular Relacionada ao Trabalho (DORT). Rev. bras. enfermagem. 2007; 60(5): 491-496.

Tomasi E, Sant’anna GC, Oppelt AM, Petrini RM, Pereira IV, Sassi BT. Condições de trabalho e automedicação em profissionais da rede básica de saúde da zona urbana de Pelotas, RS. Rev. bras. epidemiol. 2007; 10(1): 66-74.

Coluci, MZO, Alexandre NMC. Adaptação cultural de instrumento que avalia atividades do trabalho e sua relação com sintomas osteomusculares. Acta Paul Enferm. 2009; 22(2): 149-154.

Célia RCRS, Alexandre NMC. Aspectos ergonômicos e sintomas osteomusculares em um setor de transporte de pacientes. Rev. Gaúcha Enferm. 2004; 25(1): 33-43.

Batiz EC, Vergara LGL, Licea OEA. Análise comparativa entre métodos de carregamento de cargas e análise postural de auxiliares de enfermagem. Produção. 2012; 22 (2): 270-283.

Filho FL, Silva AAM, Lopes JMA, Lamy ZC, Simões VMF, Santos AM. Carga de trabalho de profissionais da saúde e eventos adversos durante ventilação mecânica em unidades de terapia intensiva neonatal. Jornal de Pediatria. 2011; 87(6): 487-492.

Reis RJ, La Rocca PF, Silveira AM, Bonilla IML, Goné AN, Martín M. Fatores relacionados ao absenteísmo por doença em profissionais de enfermagem. Rev. Saúde Pública. 2003; 37(5): 616-623.

Gurgueira GP, Alexandre NMC, Filho HRC. Prevalência de Sintomas músculo-esqueléticos em trabalhadoras de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2003; 11(5): 608-613.

Brasil, Ministério Da Saúde. Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde/MS Sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, 10 de outubro de 1996.

Barros ENC, Alexandre NMC. Cross-cultural adaptation of the Nordic musculoskeletal questionnaire. International Nursing Review. 2003; 50 (2): 101–108.

Pinheiro FA, Troccoli BT, Carvalho CV. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev. Saúde Pública. 2002; 36(3): 307-312.

Brandão AG, Horta BL, Tomasi E. Sintomas de Distúrbios osteomusculares em Bancários de Pelotas e Região: Prevalência e fatores associados. Rev. bras. epidemiol. 2005; 8(3): 295-305.

Filho SBS, Barreto SM. Atividade ocupacional e prevalência de dor osteomuscular em cirurgiões-dentistas de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: contribuição ao debate sobre os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Cad. Saúde Pública. 2001; 17(1): 181-193.

Siqueira GR, Cahú FGM, Vieira RAG. Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco. Rev. Brasileira de Fisioterapia. 2008; 12(3): 222-227.

Magnago TSBS, Lisboa MTL, Griep RH, Kirchhof ALC, Camponogara CQN et al. Condições de trabalho, características sociodemográficas e distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores de enfermagem. Acta Paul Enfermagem. 2010; 23(2): 187-193.

Mello MC, Fugulin FMT, Gaidzinsk RR. O tempo no processo de trabalho em saúde: uma abordagem sociológica. Acta Paul Enfermagem. 2007; 20(1): 87-90.

Ministério do Trabalho e Emprego (Br). Consolidação das leis do trabalho. Decreto-Lei nº 5452 de 1º de maio de 1943. Brasília (DF): LTr; 2007.

Freitas FCT, Barbosa LH, Alves LA, Marziale MHP, Robazzi MLCC. Avaliação Cinesiológica e Sintomatológica de Membros Inferiores de Costureiros Industriais. Rev. Enferm. 2009; 17(2): 170-175.

Carneiro LRV, Coqueiro RS, Freire MO, Barbosa AR. Sintomas de distúrbios osteomusculares em motoristas e cobradores de ônibus. Rev. Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2007; 9(3): 277-283.

Murofuse NT, Marziale MHP. Doenças do Sistema osteomuscular em Trabalhadores de Enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2005; 13(3): 364-373.

Downloads

Publicado

2013-08-01

Como Citar

Andrade Rocha, C. S., da Silva, C. B., Neto, M. G., & Martinez, B. P. (2013). ALTERAÇÕES OSTEOMUSCULARES EM TÉCNICOS DE ENFERMAGEM EM UM AMBIENTE HOSPITALAR. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 3(1). https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v3i1.160

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>