TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO NA SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ: RELATO DE CASO

Autores

  • Adriele Mascarenhas Araujo Residente em Fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva e Emergência do Hospital Geral Roberto Santos
  • Larissa Conceição Dias Residente em Fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva e Emergência do Hospital Geral Roberto Santos
  • Cássio Magalhães da Silva e Silva Professor assistente da Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Ludmilla Campos Gaspar Fisioterapeuta supervisora da UTI Geral Adulto e Semi do Hospital Geral Roberto Santos
  • Jorge Luis Mota dos Anjos Coordenador de Fisioterapia do Hospital Geral Roberto Santos

DOI:

https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v6i4.1075

Palavras-chave:

Síndrome de Guillain-Barré, Treinamento Muscular Inspiratório, Unidade de Terapia Intensiva.

Resumo

Objetivo: Relatar o benefício do treinamento muscular inspiratório em um paciente acometido pela síndrome de Guillain-Barré com desmame difícil da ventilação mecânica, internado na UTI de um hospital da rede pública estadual de Salvador-BA. Descrição do caso: Paciente previamente hígido e independente, admitido na UTI com diagnóstico de Síndrome de Guillain-Barré. Durante a internação apresentou pneumonia associada à VM e foi submetido à traqueostomia precoce. Inicialmente, a força muscular inspiratória foi de -70cmH2O, porém, apresentou piora progressiva do quadro com deterioração da força desses músculos, cujo valor baixou para -30cmH2O em uma semana. Conforme demanda, foi submetido a um protocolo de treinamento muscular respiratório de resistência para pacientes traqueostomizados com base na desconexão da ventilação mecânica por tempo pré-determinado e uma avaliação temporal era realizada a fim de analisar o tempo máximo resistido pelo paciente, sem que o mesmo apresentasse sinais de fadiga ou falência muscular. O treinamento foi iniciado no dia 06 de junho e concluído em 15 de junho, com o paciente apresentando algumas falhas por desconforto respiratório ou alteração hemodinâmica, sendo posteriormente reconectado à VM e estabelecendo continuação do protocolo respeitando o tempo pré-estabelecido. A força muscular inspiratória final foi de -60cmH2O. Por ter permanecido mais de 72 horas fora da VM, recebeu alta do protocolo. Conclusão: Identificou-se melhora da resistência e força muscular inspiratória com a aplicação do treinamento muscular inspiratório, favorecendo o processo de desmame ventilatório, minimizando complicações associadas à VM e reduzindo o tempo de internação na UTI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriele Mascarenhas Araujo, Residente em Fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva e Emergência do Hospital Geral Roberto Santos

Ciências da Saúde, Fisioterapia em UTI e Emergência

Larissa Conceição Dias, Residente em Fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva e Emergência do Hospital Geral Roberto Santos

Ciências da Saúde, Fisioterapia em UTI e Emergência

Cássio Magalhães da Silva e Silva, Professor assistente da Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Ciências da Saúde, Fisioterapia Pneumofuncional

Ludmilla Campos Gaspar, Fisioterapeuta supervisora da UTI Geral Adulto e Semi do Hospital Geral Roberto Santos

Ciências da Saúde, Fisioterapia Cardiorrespiratória

Jorge Luis Mota dos Anjos, Coordenador de Fisioterapia do Hospital Geral Roberto Santos

Ciências da Saúde, Fisioterapia Cardiorrespiratória

 

Downloads

Publicado

2016-11-25

Como Citar

Araujo, A. M., Dias, L. C., da Silva e Silva, C. M., Gaspar, L. C., & dos Anjos, J. L. M. (2016). TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO NA SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ: RELATO DE CASO. Revista Pesquisa Em Fisioterapia, 6(4). https://doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v6i4.1075

Edição

Seção

Relatos de Caso

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)