Perfil sociodemográfico e clínico de usuários assistidos na atenção domiciliar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4032

Palavras-chave:

Assistência Domiciliar, Perfil de Saúde, Epidemiologia Descritiva

Resumo

OBJETIVO: Descrever o perfil sociodemográfico e clínico dos usuários admitidos em um serviço de assistência domiciliar. MÉTODO: Pesquisa transversal descritiva e retrospectiva com a utilização de dados secundários, realizada no mês de novembro de 2018 em uma unidade privada de Assistência Domiciliar. A amostra foi composta por 110 prontuários por amostragem aleatória simples. Os dados foram analisados por meio da estatística descritiva. RESULTADOS: Dos usuários da assistência domiciliar, 54,5% eram do sexo masculino, acima de 60 anos (72,8%), aposentados (61%), com ensino médio completo (45,5%) e católicos (74,6%). O principal diagnóstico foi acidente vascular encefálico (35%) com plano de atendimento domiciliar tipo gerenciamento (43%) e uso de terapêutica venosa (51,8%); 60% não apresentaram lesões cutâneas; 42,7% receberam alta clínica; 30,9% foram transferidos para o hospital e 23,7% foram a óbito. CONCLUSÃO: O perfil predominante do usuário identificado na pesquisa é do sexo masculino, com idade acima de 60 anos, aposentado, católico e com ensino médio completo. O atendimento domiciliar requer especificidades no cuidado pela grande diversidade e multiplicidade de exigência e necessidades de acordo com o perfil de cada usuário e família assistidos em domicílio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Silva KL, Silva YC, Lage EG, Paiva PA, Dias OV. Why is it better at home? service users’ and caregivers’ perception of home care. Cogitare Enferm. 2017;22(4):1-9. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i4.49660

Portaria nº 2029, de 24 de agosto de 2011 (Brasil). Institui a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 ago. 2011. Seção 1, p. 91. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2029_24_08_2011.html

Andrade AM, Silva KL, Seixas CT, Braga PP. Nursing practice in home care: an integrative literature review. Rev. Bras. Enferm. 2017;(1):210-9. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0214

Nery BLS, Favilla FAT, Albuquerque APA, Salomon ALR. Characteristics of home care services. Rev enferm UFPE on line. 2018;12(5):1422-9. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i5a230604p1422-1429-2018

Olario PS, Moreira MC, Moreira IB, Martins JCA, Souza AT. Deinstitutionalization in palliative care: profile of users of a unit in Rio de Janeiro/Brazil. Cogitare Enferm. 2018;(23)2:e53787. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i2.53787

Johann DA, Cechinel C, Carvalhal TFT, Benatto MC, Silva GP, Lara JA. Home care in the national health system: profile of assisted patient. Semina. 2020;41(1):83-94. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2020v41n1p83

Nunes EM, Frias RS. Perfil Sociodemográfico, Epidemiológico e do Atendimento Fisioterápico dos Pacientes de uma Clínica Escola de Fisioterapia que Funciona no Espaço de uma Unidade Básica de Saúde Particular de Foz do Iguaçu, PR. Revista Pleiade [Internet]. 2017;11(22):46-55. Available from: https://pleiade.uniamerica.br/index.php/pleiade/article/view/347

Zandavalli RB, Silveira JBS, Bueno RM, Santos DT, Castro Filho ED, Mosqueiro BP. Spirituality and resilience in home care. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2020;15(42):2213. https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)2213

Braga PP, Sena RR, Seixas CT, Castro EAB, Andrade AM, Silva YC. Supply and demand in home health care. Ciênc. saúde coletiva. 2017;21(3):903-12. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015213.11382015

Neves ACOJ, Seixas CT, Andrade AM, Castro EAB. Home care: care profile of a service linked to a teaching hospital. Physis. 2019;29(2):e290214. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312019290214

Neves ACOJ, Castro EAB, Costa SRD. Needs for at-home nursing care after discharge from hospital in the sus context. Cogitare Enferm. 2016;21(4):1-10. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i4.47708

Canuto MAO, Nogueira LT, Araújo TME. Health-related quality of life after stroke. Acta Paul Enferm. 2016;29(3):245-52. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201600035

Carnaúba CMD, Silva TDA, Viana JF, Alves JBN, Andrade NL, Trindade Filho EM. Clinical and epidemiological characterization of patients receiving home care in the city of Maceió, in the state of Alagoas, Brazil. Rev. bras. geriatr. gerontol. 2017;20(3):352-62. http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562017020.160163

Portaria nº 825, de 25 de abril de 2016 (Brasil). Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. [Internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 abr. 2016. Seção 1, p. 33-38. Available from: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22685962/do1-2016-04-26-portaria-n-825-de-25-de-abril-de-2016-22685827

Atty ATM, Tomazelli JG. Palliative care in home care for cancer patients in Brazil. Saúde debate. 2018;42(116):225-36. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201811618

Publicado

2022-05-09

Como Citar

Neves, V. F. A., Moura, T. M., Almeida Oliveira, G. R. de S., & Rodrigues, G. R. S. (2022). Perfil sociodemográfico e clínico de usuários assistidos na atenção domiciliar. Revista Enfermagem Contemporânea, 11, e4032. https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.2022.e4032

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)