Aspectos epidemiológicos e distribuição de casos de esquistossomose no Nordeste brasileiro no período de 2010 a 2017

Bianca Leão Barreto, Claudia Gonçalves Lobo

Resumo


OBJETIVO: Analisar aspectos epidemiológicos de casos de esquistossomose na região do Nordeste brasileiro notificados no Sistema Nacional de Agravos e Notificação (SINAN) no período de 2010 a 2017. METODOLOGIA: Trata-se de estudo epidemiológico descritivo observacional. A coleta dos dados secundários foi realizada através do SINAN e submetidos a análise estatística descritiva, por meio de frequência absoluta e frequência relativa, apresentados na forma de gráficos e tabelas utilizando o Excel 2016.  RESULTADOS: No período foram notificados 10.431 casos, sendo os anos de 2010 seguido de 2014 e 2015 que mais se destacaram. Os estados do Nordeste com maior número de casos foram Bahia com 5.183 casos, Pernambuco com 2.330, Paraíba com 857 e Sergipe com 769. A análise do perfil biológico dos infectados, no que se refere ao sexo, mostrou que a maior proporção de infectados é do sexo masculino (54%) e as faixas etárias com maiores índices de infecção, foram 20 a 39 anos com 34,68% e de 40 a 59 anos com 28,89%. CONCLUSÃO: A esquistossomose é um grande problema de saúde pública, portanto, é indispensável ações e divulgação das regiões endêmicas para construção de intervenções sobre o controle da doença, enfatizando o atendimento e fazendo busca ativa da população.


Palavras-chave


Esquistossomose. Schistosoma mansoni. Esquistossomose mansoni. Epidemiologia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v10i1.3642

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Bianca Leão Barreto, Claudia Gonçalves Lobo

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta revista foi indexada e/ou catalogada nas seguintes bases de dados:

DOAJ          ROAD          FUNADESP                    

 

Revista Enfermagem Contemporânea | ISSN: 2317-3378

Site atualizado em 03/01/2020

Licença Creative Commons