Adesão à higienização das mãos dos profissionais da saúde em unidade de terapia intensiva neonatal

Kátia dos Santos Contreiro, Leonardo Bigolin Jantsch, Andrea Moreira Arrué, Diúlia Calegari de Oliveira, Danieli Bandeira

Resumo


OBJETIVO: Avaliar a adesão dos profissionais de saúde quanto à higienização das mãos em um serviço de Terapia Intensiva Neonatal. MÉTODO: Trata-se de uma pesquisa seccional, realizada por meio de um checklist utilizado pelo Serviço de Controle de Infecções Hospitalares para verificar a adesão das equipes multidisciplinares à higienização das mãos.  A coleta ocorreu na unidade de Terapia Intensiva Neonatal, em todos os turnos de trabalho. Foram contabilizadas 1096 observações, analisadas sob estatística descritiva. RESULTADOS: A taxa de adesão foi de 55,4%, destas 83% com água e sabão e 17% por fricção com álcool. O momento de maior adesão com água e sabão foi antes e após o contato com o paciente; e a ação com álcool, antes do contato com o paciente. Os fonoaudiólogos obtiveram a taxa mais elevada de higienização das mãos (93,7%). CONCLUSÃO: Verificou-se baixa taxa de adesão pelos profissionais de saúde à HM, exceto os fonoaudiólogos, especialmente após risco de exposição a fluídos corporais.


Palavras-chave


Equipe multiprofissional. Higiene das mãos. Infecção hospitalar. Profissionais de saúde. Unidade de terapia Intensiva Neonatal.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v10i1.3094

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Kátia dos Santos Contreiro, Leonardo Bigolin Jantsch, Andrea Moreira Arrué, Diúlia Calegari de Oliveira, Danieli Bandeira

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Esta revista foi indexada e/ou catalogada nas seguintes bases de dados:

DOAJ          ROAD          FUNADESP                    

 

Revista Enfermagem Contemporânea | ISSN: 2317-3378

Site atualizado em 03/01/2020

Licença Creative Commons