Abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa

Autores

  • Melisane Regina Lima Ferreira Graduanda de Enfermagem pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Membro do Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva (CEPESCO), Porto Velho, Rondônia, Brasil.
  • Rafaele Oliveira Bonfim Graduanda de Enfermagem pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Membro do Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva (CEPESCO), Porto Velho, Rondônia, Brasil.
  • Tatiane Cabral Siqueira Graduanda de Enfermagem pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Membro do Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva (CEPESCO), Porto Velho, Rondônia, Brasil.
  • Nathalia Halax Orfão Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de São Paulo (USP). Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho, Rondônia, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.v7i1.1579

Palavras-chave:

Tuberculose, Pacientes Desistentes do Tratamento, Fatores de Risco, Adesão à Medicação.

Resumo

Introdução: O abandono do tratamento da tuberculose (TB) auxilia no ciclo de propagação e contágio da doença, aumento dos custos, resistência medicamentosa e da morbimortalidade. Desta forma, este estudo buscou descrever os fatores de risco para o paciente de TB abandonar o tratamento, segundo a literatura nacional e internacional. Metodologia: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada nas bases de dados da Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Literatura Internacional em Ciências da Saúde (MEDLINE), a partir dos artigos científicos completos, publicados no período entre 2007 a 2017, em open acess, nos idiomas português, inglês e espanhol, bem como aqueles que abordassem nos resultados os fatores de risco para o abandono ao tratamento da TB. Resultados: Foram encontrados 145 artigos científicos, dos quais 125 foram excluídos por não atenderem os critérios previamente estabelecidos, totalizando 20 artigos científicos para serem lidos e analisados na íntegra. Verificou-se que os aspectos sociodemográficos (uso de drogas, idade, sexo masculino, baixa escolaridade e renda, área rural, acessibilidade e estigma da doença), clínicos (coinfecção TB/HIV, abandono prévio, forma clínica extrapulmonar, comorbidades) e do tratamento (fase inicial da terapia, efeitos adversos, melhora sintomática) contribuem para o abandono do tratamento. Conclusão: Esta revisão aponta a necessidade de identificar precocemente os pacientes de TB vulneráveis ao desfecho, para então, utilizar as estratégias disponíveis, a exemplo do tratamento diretamente observado, visando garantir a adesão e, consequentemente, a cura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2018-07-24

Como Citar

Ferreira, M. R. L., Bonfim, R. O., Siqueira, T. C., & Orfão, N. H. (2018). Abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Revista Enfermagem Contemporânea, 7(1), 63–71. https://doi.org/10.17267/2317-3378rec.v7i1.1579

Edição

Seção

Estudos de Revisão: Sistemática - Integrativa – Bibliométrica

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)