A Psicologia no cuidado à criança no contexto da Atenção Primária à Saúde em Salvador-BA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4688

Palavras-chave:

Psicologia, Criança, Atenção Primária à Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

INTRODUÇÃO: O cuidado à saúde da criança passou por diferentes contextos sociopolíticos. Ainda que a implantação da Atenção Primária à Saúde (APS) tenha levado à ampliação da cobertura em saúde, muitos desafios são impostos para esse cuidado. OBJETIVO: Compreender o papel das psicólogas(os) na Atenção Primária à Saúde referente aos cuidados à criança em UBS/USF/NASF-AB na cidade de Salvador-BA. MÉTODOS: Este é um estudo qualitativo com 7 psicólogas (os) da APS. Inicialmente foi aplicado um questionário online para levantamento do perfil das(os) participantes e posteriormente realizada entrevistas semiestruturadas. Após a análise de conteúdo, os dados foram categorizados em: Perfil das crianças atendidas e cuidadoras; perspectiva da psicologia e principais queixas; ações de cuidado à criança na unidade; o cuidado da criança em rede. RESULTADOS: A maioria das(os) psicólogas(os) é do sexo feminino, mãe, negra, possui experiência anterior no SUS. Já a maioria das crianças é negra e socioeconomicamente vulnerável. Os desafios impostos foram a invisibilidade da criança, a sobrecarga feminina como a principal cuidadora e a pandemia. As potencialidades se traduzem com a atuação na comunidade, o trabalho em rede e a relação com a equipe multidisciplinar. CONCLUSÃO: Os desafios na APS perpassam pelas relações entre os sujeitos e o contexto político. A pesquisa mostrou a importância de se pensar na práxis profissional da Psicologia relacionada ao cuidado à infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, C. M. P., & Serralha, C. A. (2018). A Assistência Psicológica a Crianças em Unidades Básicas de Saúde [La Asistencia Psicológica a los Niños en las Unidades Básicas de Salud]. Estudo e Pesquisas em Psicologia, 18(3), 912–931. https://doi.org/10.12957/epp.2018.40460

Antoni, C., & Koller, S. H. (2010). Uma família fisicamente violenta: uma visão pela teoria bioecológica do desenvolvimento humano [Una familia físicamente violenta: una visión desde la teoría bioecológica del desarrollo humano]. Temas em Psicologia, 18(1), 17-30. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2010000100003&lng=pt&tlng=pt

Araújo, J. P., Silva, R. M. M., Collet, N., Neves, E. T., Tos, B. R. G. O., & Viera, C. S. (2014). Historia de la salud del niño: conquistas, políticas y perspectivas. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(6), 1000–1007. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2014670620

Aquino, R., Oliveira, N. F., & Barreto, M. L. (2009). Impact of the family health program on infant mortality in Brazilian municipalities [Impacto del programa de salud familiar en la mortalidad infantil en los municipios brasileños]. American Journal of Public Health, 99(1), 87–93. https://doi.org/10.2105/AJPH.2007.127480

Ayres, J. R. C. M. (2011). O cuidado e o espaço público da saúde: virtude, vontade e reconhecimento na construção política da integralidade [El cuidado y el espacio público sanitario: virtud, voluntad y reconocimiento en la construcción política de la integralidade]. In R. Pinheiro & A. G. Silva Junior (Orgs.), Cidadania no cuidado: o universal e o comum na integralidade das ações de organizadores (pp. 27-44). IMS/UERJ- CEPESC.

Badinter, E. (1985). Um amor conquistado: o mito do amor materno [Un amor conquistado: el mito del amor materno]. Nova Fronteira. [Texto originalmente publicado en 1980].

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo [Análisis de Contenido]. Edições 70. [Texto originalmente publicado en 1980].

Caldas, A. D. R., Santos, R. V., Borges, G. M., Valente, J. G., Portela, M. C., & Marinho, G. L. (2017). Mortalidad infantil según color de piel o raza, en base al Censo Demográfico de 2010 y en los sistemas nacionales de información en salud de Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 33(7). https://doi.org/10.1590/0102-311X00046516

Comitê Científico do Núcleo Ciência Pela Infância (2020). Edição Especial: Repercussões da Pandemia de COVID-19 no Desenvolvimento [Edición Especial: Repercusiones en el desarrollo de la pandemia de COVID-19]. https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/repercussoes-da- pandemia-de-covid-19-no- desenvolvimento-infantil/

Conselho Federal de Psicologia. (2013). Quem é a Psicóloga brasileira? Mulher, Psicologia e Trabalho [¿Quién es la psicóloga brasileña? Mujer, psicología y trabajo]. https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/07/Quem_e_a_Psicologa_brasileira.pdf

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). (2016). Levantamento de informações sobre a inserção dos psicólogos no mercado de trabalho brasileiro (Relatório Final: Análise de Dados) [Encuesta de información sobre la inserción de los psicólogos en el mercado laboral brasileño]. https://www.dieese.org.br/perfildecategoria/2016/psicologosMercadoTrabalho.html

Dimenstein, M., & Cirilo Neto, M. (2020). Enfoques conceptuales de la vulnerabilidad en el ámbito de la salud y la asistencia social. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 15(1), 1- 17. https://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1809-89082020000100002&script=sci_abstract&tlng=es

Dimenstein, M., & Macedo, J. P. (2012). Formación en Psicología: requisitos para actuación en la atención primaria y psicosocial. Psicologia: Ciência E Profissão, 32(spe), 232–245. https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500017

Emenda Constitucional n. 95 (2016, 15 de dezembro). Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências [Modifica el Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir el Nuevo Régimen Fiscal, y dicta otras disposiciones]. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc95.htm

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2020, 16 de julho). Em média, mulheres dedicam 10,4 horas por semana a mais que os homens aos afazeres domésticos ou ao cuidado de pessoas [De media, las mujeres dedican 10,4 horas semanales más que los hombres a las tareas domésticas o al cuidado de personas]. https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/27877-em-media-mulheres-dedicam-10-4-horas-por-semana-a-mais-que-os-homens-aos-afazeres-domesticos-ou-ao-cuidado-de-pessoas

Mendes, A., Melo, M. A., & Carnut, L. (2022). Análisis crítico sobre la implantación del nuevo modelo de asignación de recursos federales para la atención primaria en salud: operacionalismo e imprevistos. Cadernos de Saúde Pública, 38(2). https://doi.org/10.1590/0102-311X00164621

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. (2018). Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para implementação [Política Nacional de Atención Integral a la Salud de los Niños: orientaciones para su aplicación]. https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/pnaisc/

Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) e Programa Previne Brasil. Nota técnica n. 3/2020-DESF/SAPS/MS [Nota tecnica n. 3/2020-DESF/SAPS/MS]. https://www.conasems.org.br/nucleo-ampliado-de-saude-da-familia-e-atencao-basica-nasf-ab-e-programa-previne-brasil/.

Oliveira, C., Evangelista, P. G., Pimenta, S. J. S. A., Bonfim, B. C., & Santos, N. D. (2020). Protocolo de interconsultas na puericultura: interlocução entre enfermagem e psicologia [Protocolo de interconsultas en puericultura: interlocución entre enfermería y psicología]. Ed. dos Autores. https://repositorio.ufba.br/handle/ri/32811

Portaria n.2.979, de 12 de dezembro de 2019. (2019). Institui o Programa Previne Brasil, que estabelece novo modelo de financiamento de custeio da Atenção Primária à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, por meio da alteração da Portaria de Consolidação nº 6/GM/MS, de 28 de setembro de 2017 [Instituye el Programa Previne Brasil, que establece un nuevo modelo de financiación de la Atención Primaria de Salud en el marco del Sistema Único de Salud, modificando la Ordenanza de Consolidación nº 6/GM/MS, de 28 de septiembre de 2017]. https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.979-de-12-de-novembro-de-2019-227652180

Silva, F. B., Gaíva, M. A. M., & Mello, D. F. (2015). El uso del libro de salud infantil por familia: percepción de los profesionales. Texto & Contexto - Enfermagem, 24(2), 407–414. https://doi.org/10.1590/0104-07072015000212014

Sousa, F. G. M., Erdmann, A. L., & Mochel, E. G. (2010). Modelando la integralidad de los cuidados a los niños en la Atención Básica de la Salud. Revista Gaúcha de Enfermagem, 31(4), 701–707. https://doi.org/10.1590/S1983-14472010000400013

Spink, M. J. (Org.). (2010). A psicologia em diálogo com o SUS: prática profissional e produção acadêmica [La psicología en el diálogo con el SUS: práctica profesional y producción académica]. Casa do Psicólogo.

Victora, C. G., Aquino, E. M. L., Leal, M. C., Monteiro, C. A., Barros, F. C., & Szwarcwald, C. L. (2011). Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios [La salud de madres e hijos en Brasil: avances y retos]. The Lancet, 32–46. https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/saude-de-maes-e-criancas-no-brasil-progressos-e-desafios/

Werneck, J. (2016). Racismo institucional e saúde da população negra [El racismo institucional y la salud de la población negra]. Saúde E Sociedade, 25(3), 535–549. https://doi.org/10.1590/S0104-129020162610

Publicado

2022-11-24

Como Citar

Oliveira, C. de, Bonfim, C. B., Martins, D. M. B. ., & Bernardo, K. J. C. . (2022). A Psicologia no cuidado à criança no contexto da Atenção Primária à Saúde em Salvador-BA . Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 11, e4688. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4688

Edição

Seção

Artigos Originais