Maternidade solo e interseccionalidades: práticas de cuidado no contexto da atenção básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4393

Palavras-chave:

Maternidade, Parentalidade, Sexismo, Racismo, Atenção Primária à Saúde

Resumo

INTRODUÇÃO: As maternidades solo, como realidade significativa no Brasil, representam uma experiência determinada por estruturas de poder, que incidem na vida das mulheres, sobretudo negras, levando-as a trajetórias permeadas de sofrimento psíquico. Este estudo se fundamenta na importância de conhecer a atuação e os desafios de Psicólogas(os) que acolhem estas mulheres no contexto da Atenção Básica. OBJETIVO: Compreender a percepção de psicólogas(os) acerca de suas práticas, junto a mulheres mães solo na Atenção Básica, com atenção às questões de gênero, raça e interseccionalidades. MÉTODOS: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de natureza descritivo/exploratória. A pesquisa de campo foi desenvolvida na cidade de Salvador-BA, no período de 2020-2021. A coleta de dados ocorreu em duas etapas: questionário online e entrevistas semiestruturadas. As análises foram realizadas a partir do aporte teórico da psicologia social crítica, com abordagem compreensiva das falas circunstanciadas dos sujeitos. RESULTADOS: Observou-se um contexto de ausências de cuidado às mulheres mães solo. Embora a maternidade solo seja uma experiência frequente na vida das mulheres negras e pobres, não há planejamentos específicos para a atenção e cuidado a estas usuárias, tampouco estratégias são citadas no desenho das políticas públicas para o acolhimento e cuidado de mães solo. CONSIDERAÇÕES FINAIS: As lacunas no entendimento e nas ações direcionadas às mulheres mães solo configuram-se como uma das ausências de cuidado e atenção a estas mulheres. Faz-se necessário reafirmar o compromisso ético-político da Psicologia com as reais necessidades da população brasileira, para a garantia da vida e saúde de todos os sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida-Filho, N. (2011). O que é saúde? [¿Qué es salud?] Fiocruz.

Antunes, J. R. (2018). Grupo de Mulheres na Atenção Básica: sistematização de uma experiência de cuidado [Grupo de Mujeres en Atención Primaria: sistematización de una experiencia assistencial]. [Disertación de Maestría, Curso de Odontologia, Universidade de São Paulo]. https://doi.org/10.11606/D.108.2018.tde-12092018-153842

Ayres, J. R. C. M. (2009). Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde [Cuidados: trabajo e interacción en las prácticas de salud]. Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ABRASCO.

Bairros, L. (1995). Nossos feminismos revisitados [Nuestros feminismos revisados]. Revista Estudos Feministas, 3(2), 558-563. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16462

Borges, L. (2020). Mãe solteira não. Mãe solo! Considerações sobre maternidade, conjugalidade e sobrecarga feminina [Ni una sola madre.¡Madre solitaria! Consideraciones sobre la maternidad, la conyugalidad y la carga femenina]. Revista Direito e Sexualidade, 1, 1-23. https://periodicos.ufba.br/index.php/revdirsex/article/view/36872/21118

Böing, E., Crepaldi, M. A. (2010). O Psicólogo na Atenção Básica: Uma Incursão Pelas Políticas Públicas de Saúde Brasileiras [El psicólogo en la atención primaria: Una incursión por las políticas de salud pública brasileñas]. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), 634-649. https://www.scielo.br/j/pcp/a/X9DvXR6YCVMG4tSmh46Dhhn/?format=pdf&lang=pt

Böing, E., Crepaldi, M. A., Moré, C. L. O. O. (2009). A Epistemologia Sistêmica como Substrato à Atuação do Psicólogo na Atenção Básica [La epistemología sistémica como sustrato de la actuación del psicólogo en atención primaria]. Psicologia: Ciência e Profissão, 29(4), 828-845. https://www.scielo.br/pdf/pcp/v29n4/v29n4a13.pdf

Cassiani, S. H. B., Caliri, M. H. L., Pelá, N. T. R. (1996). A teoria fundamentada nos dados como abordagem da pesquisa interpretativa [La teoría fundamentada como enfoque de la investigación interpretativa]. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 4(3), 75-88. https://doi.org/10.1590/S0104-11691996000300007

Confederação Nacional de Municípios (2017). Mulheres comandam 40% dos lares brasileiros [Las mujeres dirigen el 40% de los hogares brasileños]. https://www.cnm.org.br/comunicacao/noticias/mulheres-chefiam-40-dos-lares-brasileiros-revela-pesquisa#:~:text=No%20Brasil%2C%20cerca%20de%2040,Pesquisa%20Econ%C3%B4mica%20Aplicada%20(Ipea)

Conselho Federal de Psicologia. (2017). Relações Raciais: Referências Técnicas Para Atuação De Psicólogas (os) [Relaciones raciales: referencias técnicas para el trabajo de los psicólogos]. CFP. https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2017/09/relacoes_raciais_baixa.pdf

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero [Documento para la reunión de expertos sobre los aspectos de género de la discriminación racial]. Revista Estudos feministas, 10(1), 171-188. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

Dimenstein, M. D. B. (2000). A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde [La cultura profesional del psicólogo y la ideología individualista: implicaciones para la práctica en el ámbito de la atención sanitaria pública]. Estudos de Psicologia, 5(1), 95-121. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2000000100006

Dimenstein, M. D. B., Macedo, J. P. (2012). Formação em Psicologia: Requisitos para Atuação na Atenção Primária e Psicossocial [Formación en Psicología: Requisitos para la Atención Primaria y Psicosocial]. Psicologia: Ciência e Profissão, 32, 232-245. https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500017

Goes, E. (2019). Boas de parir: mulheres negras e violências reprodutivas [Bien parir: las mujeres negras y la violencia reproductiva]. Portal Geledés. https://www.geledes.org.br/boas-de-parir-mulheres-negras-e-violencias-reprodutivas/?gclid=CjwKCAjw9vn4BRBaEiwAh0muDFdhUB2HWSiB7WUKwCxOHyEBTAP_bCk6df5-zqJxyS_gspt0_ax_VBoCB5wQAvD_BwE.

Governo do Distrito Federal. (2017). Protocolo de Atenção à Saúde: Atenção à saúde da mulher no Pré-Natal, Puerpério e Cuidados ao Recém-nascido [Protocolo de Atención Sanitaria: Atención a la Salud de la Mujer en el Prenatal, el Puerperio y el Recién Nacido]. http://www.saude.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2018/04/3-Atencao_a_Saude_da_Mulher_no_Prenatal_Puerperio_e_Cuidados_ao_Recem_nascido.pdf.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2015). Estudo mostra desigualdades de gênero e raça no Brasil em 20 anos [Un estudio muestra las desigualdades de género y raza en Brasil en 20 años]. https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_acymailing&ctrl=archive&task=view&listid=10-.

Martins, D. M. B. (2014). Artes de cuidar e ser cuidado: experiências terapêuticas integrativas na perspectiva da dádiva [Artes de cuidar y ser cuidado: experiencias terapéuticas integradoras desde la perspectiva del don]. [Tesis de Doctorado - Universidade Federal de Pernambuco]. Repositório digital da UFPE. https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11715

Ministério da Saúde (2004). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher – Princípios e Diretrizes [Política nacional de atención sanitaria a la mujer - Principios y directrices].https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf

Pacheco, A. C. L. (2008). “Branca para casar, mulata para f... e negra para trabalhar”; escolhas afetivas e significados de solidão entre mulheres negras em Salvador, Bahia ["Blanca para casarse, mulata para j... y negra para trabajar"; opciones afectivas y significados de la soledad entre las mujeres negras de Salvador, Bahía]. [Tesis de Doctorado, Curso de Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas]. Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações. http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNICAMP-30_f9589727860dd5743df339508118aa45

Reis, L. P. C. (2020). Vivências da maternidade para mulheres no Subúrbio de Salvador [Experiencias de maternidad de las mujeres de la periferia de Salvador]. In A. C. D. S. Bastos, & V. V. Pontes (Org.). Nascer não é igual para todas as pessoas. (pp. 217-232). EDUFBA.

Santos, K. C. M. (2017). Análise da representação da mãe solteira nos meios de comunicação e na sociedade por meio do grupo focal [Análisis de la representación de las madres solteras en los medios de comunicación y en la sociedad a través del grupo de discusión]. Anais do EVINCI-Unibrasil, 3(2), 669-686. https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/anaisevinci/article/view/3459/3032

Souza, C. A. D. S. (2008). Solidão da mulher negra - sua subjetividade e seu preterimento pelo homem negro na cidade de São Paulo [La soledad de la mujer negra - su subjetividad y su abandono por el hombre negro en la ciudad de São Paulo]. [Disertación de Maestría, Curso de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade de São Paulo]. Repositório PUC-SP. https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3915

Spink, M. J. P., Matta, G. C. (2010). A prática profissional Psi na Saúde Pública: configurações históricas e desafios contemporâneos [La práctica profesional psi en Salud Pública: configuraciones históricas y desafíos contemporáneos]. In: M. J. P. Spink (Org.). A Psicologia em diálogos com o SUS: prática profissional e produção acadêmica. [Psicología en diálogo con el SUS: práctica profesional y producción académica]. (pp. 25-48). Casa do Psicólogo

Publicado

2022-10-24

Como Citar

Nascimento, A. M. V. da S. ., Martins, D. M. B. ., Bonfim, C. B. ., & Bernardo, K. J. C. . (2022). Maternidade solo e interseccionalidades: práticas de cuidado no contexto da atenção básica. Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 11, e4393. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e4393

Edição

Seção

Artigos Originais