Laço social como discurso na psicose: impasses e possibilidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e3850

Palavras-chave:

Psicanálise, Saúde Mental, Laço Social, Psicose

Resumo

INTRODUÇÃO: A abordagem psicanalítica atua no avesso do discurso psiquiátrico, não requerendo um manejo padronizado, e se orientando para a singularidade. O modo como cada um se enlaça ao Outro é apresentado por Lacan (1969-1970/1992) através do conceito de laço social. A inserção no discurso engendra uma trama social e, para tanto, é necessário observar o modo singular com que cada um faz laço, valendo-se da ideia de que haverá sempre um resto, pedaço de real não completamente absorvido pela lógica discursiva. Será propriamente através da invenção de um sinthoma que este resto encontrará alguma estabilização, inserindo o Outro nesta construção (Lacan, 1975-1976/2007). Partindo deste a priori, o presente estudo objetiva delinear como se estabelece o laço social na psicose a partir da psicanálise de orientação lacaniana, articulando com o conceito de sinthoma. MÉTODO: O percurso metodológico adotado se caracteriza como qualitativo, de objetivo exploratório, e quanto ao seu delineamento, é uma pesquisa bibliográfica. RESULTADO: Como resultados, identificamos que a psicanálise possibilita uma clínica pautada na responsabilidade do sujeito e de sua singularidade como diretrizes éticas na condução de intervenções no campo da saúde mental. CONCLUSÃO: É a partir do conceito de laço social, formulado por Lacan, que poderemos ver as soluções, bricolagens e sinthomas que amparam a cada um. Portanto, resta acompanhar e testemunhar, no um a um dos casos, a forma como cada sujeito pode, ao seu modo, remendar a sua realidade, sempre psíquica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, A. (2020). Da psicopatologia de Jaspers à biologia lacaniana [De la psicopatología de Jaspers a la biología lacaniana]. In A. Teixeira, & M. Rosa (Orgs), Psicopatologia lacaniana: nosologia. Autêntica.

Arenas, A. (2011). A saúde de todos, sem a segregação de cada um [Salud para todos, sin segregar a cada uno]. In Associação da Fundação do Campo Freudiano (Orgs.), A saúde de todos, não sem a loucura de cada um: perspectivas da psicanálise. Wak Editora.

Barreto, F. P. (2007). A psicanálise Aplicada à Saúde Mental [El psicoanálisis aplicado a la salud mental]. Clinicaps, (1), 1-28. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/psi-45262

Basaglia, F. (1991). A Instituição Negada [La institución negada]. Graal.

Berenguer, E. (2011). A loucura de cada um na contemporaneidade: de perto ninguém é normal [La locura de cada uno en el mundo contemporáneo: nadie es normal de cerca]. In Associação da Fundação do Campo Freudiano (Orgs.), A saúde de todos, não sem a loucura de cada um: perspectivas da psicanálise. Wak Editora.

Calazans, R., & Bastos, A. (2008). Urgência subjetiva e clínica psicanalítica [La urgencia subjetiva y la clínica psicoanalítica]. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11(4), 640-652. https://doi.org/10.1590/S1415-47142008000400010

Canguilhem, G. (2009). O Normal e o Patológico [Lo normal y lo patológico]. Forense Universitária. https://app.uff.br/slab/uploads/GeorgesCanguilhem-ONormaleoPatologico.pdf

Cervo, A. L. & Bervian, P. A. (1983). Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários [Metodología científica: para uso de los estudiantes universitarios]. McGraw-Hill do Brasil.

Coelho, C. M. S. (2006). Psicanálise e laço social – uma leitura do Seminário 17 [El psicoanálisis y el vínculo social - una lectura del Seminario 17]. Mental, 4(6), 107-121. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272006000100009

Foucault, M. (1978). História da loucura na Idade Clássica [Historia de la locura en la época clásica]. Perspectiva.

Freud, S. (1980). Os caminhos da formação dos sintomas [Las vías de formación de los síntomas]. Imago. (Texto originalmente publicado en 1917).

Freud, S. (1996). A perda da realidade na neurose e na psicose [La pérdida de la realidad en la neurosis y la psicosis]. Cia das Letras. (Texto publicado originalmente em 1924).

Freud, S. (2010a). O Mal-Estar na Civilização [La civilización y sus descontentos]. Cia das Letras. (Texto originalmente publicado en 1930).

Freud, S. (2010b). Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia. Relato em autobiografia – O caso Schreber [Observaciones psicoanalíticas sobre un caso de paranoia. Informe en la autobiografía - El caso Schreber]. Cia das Letras. (Texto originalmente publicado en 1911).

Freud, S. (2016). Estudos sobre a Histeria [Estudios sobre la histeria]. Cia das Letras. (Texto originalmente publicado en 1893-1895).

Garcia-Roza, L. A. (2009). Freud e o Inconsciente [Freud y el inconsciente]. Jorge Zahar.

Gaspard, J. L. (2012). Discurso Médico e Clínica Psicanalítica: colaboração ou subversão [Discurso médico y clínica psicoanalítica: colaboración o subversión]. Cia de Freud.

Generoso, C. M. (2008). Considerações sobre a psicose e laço social: o fora-do-discurso da psicose [Consideraciones sobre la psicosis y el vínculo social: el fuera de discurso de la psicosis]. Clinicaps, 2(4), 1-10. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-60072008000100003

Generoso, C. M. (2014). Psicose, desinserção e laço social: um debate entre a psicanálise e o campo da saúde mental [Psicosis, desprendimiento y lazo social: un debate entre el psicoanálisis y el campo de la salud mental] [tesis, Universidade Federal de Minas Gerais]. Repositório da Universidade Federal de Minas Gerais. https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUBD-9WXFNN

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social [Métodos y técnicas de investigación social] (6ª ed). Atlas.

Guéguen, P-G. (2011). Quem é louco e quem, não é? Sobre o diagnóstico diferencial em psicanálise [¿Quién está loco y quién no? Sobre el diagnóstico diferencial en psicoanálisis]. In Associação da Fundação do Campo Freudiano (Orgs.), A saúde de todos, não sem a loucura de cada um: perspectivas da psicanálise. Wak Editora.

Lacan, J. (1979). O Seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise [El Seminario, libro 11: Los cuatro conceptos fundamentales del psicoanálisis]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1964)

Lacan, J. (1985). O Seminário, livro 20: mais, ainda [El Seminario, libro 20: más, todavía]. Jorge Zahar. (exto originalmente publicado en 1972-1973)

Lacan, J. (1985). O Seminário, livro 3: As psicoses [El Seminario, libro 3: Las Psicosis]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1955-1956).

Lacan, J. (1987). Da psicose paranoica em suas relações com a personalidade [La psicosis paranoica en sus relaciones con la personalidad]. Forense Universitária. (Texto originalmente publicado en 1932).

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 17: O avesso da Psicanálise [El Seminario, libro 17: El reverso del psicoanálisis]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1969-1970).

Lacan, J. (1997). O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise [El Seminario, libro 7: La ética del psicoanálisis]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1959-1960)

Lacan, J. (1998). Escritos. Jorge Zahar (Texto originalmente publicado en 1958).

Lacan, J. (1999). O Seminário, livro 5: as formações do inconsciente [El Seminario, libro 5: Las formaciones del inconsciente]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1957-1958)

Lacan, J. (2003). Outros escritos [Otros escritos]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1974)

Lacan, J. (2007). O Seminário, livro 23: O sinthoma [El Seminario, libro 23: El Sinthoma]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1975-1976).

Lacan, J. (2008). O Seminário, livro 7: A Ética da Psicanálise [El Seminario, libro 7: La ética del psicoanálisis]. Jorge Zahar. (Texto originalmente publicado en 1957-1958)

Laurent, E. (2017). Gênero e Gozo [Género y disfrute]. Revista Escola Brasileira de Psicanálise, (44): 43-55.

Maher, W. B., & Maher, B. A. (2011). Um esboço da história da psicopatologia [Un esbozo de la historia de la psicopatología]. In Manual de psicopatologia e transtornos psicológicos. Pirámide. https://doi.org/10.13140/2.1.5172.2244

Mendes, A. A. (2005). Tratamento na psicose: o laço social como alternativa ao ideal institucional [Tratamiento en la psicosis: el vínculo social como alternativa al ideal institucional]. Mental, 3(4), 15-28. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272005000100002&lng=pt&tlng=pt

Mezêncio, M.S. (2004). Metodologia e pesquisa em psicanálise: uma questão [Metodología e investigación en psicoanálisis: una cuestión]. Psicologia em revista, 10(15), 104-113. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-478099

Mezza, M. (2018). A teoria da loucura em Lacan como crítica ao patetismo da doença mental [La teoría de la locura de Lacan como crítica al patetismo de la enfermedad mental]. Estudos de Psicanálise, (49), 139-148. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-34372018000100013

Miller, J. A. (1981). Psicanálise e Psiquiatria [Psicoanálisis y psiquiatría]. Lacan elucidado. Jorge Zahar.

Miller, J. A. (1999). Saúde Mental e Ordem Pública [Salud mental y orden público]. Curinga, 13, 20-21. https://pt.scribd.com/doc/80073172/02-a-cidade-analitica-saude-mental-e-ordem-publica-jacques-alain-miller

Miller, J. A. (1998). Os casos raros, inclassificáveis, da clínica psicanalítica: a conversação de Arcachon [Los casos raros e inclasificables de la clínica psicoanalítica: la conversación de Arcachon]. Biblioteca Freudiana Brasileira.

Miller, J. A. (2000). Os seis paradigmas do gozo [Los seis paradigmas del goce]. Opção Lacaniana. Edições Eólia.

Miller, J. A. (2003a). A invenção Psicótica [La invención psicótica]. Opção Lacaniana. Edições Eólia.

Miller, J. A. (2003b). O último ensino de Lacan [La última enseñanza de Lacan]. In Miller, J. A. (Org.), Opção Lacaniana. Edições Eólia.

Miller, J. A. (2005). Silet: os paradoxos da pulsão, de Freud à Lacan [Silet: las paradojas de la pulsión, de Freud a Lacan]. Jorge Zahar.

Miller, J. A. (2011). Saúde mental e ordem pública [Salud mental y orden público]. In Associação da Fundação do Campo Freudiano (Orgs.), A saúde de todos, não sem a loucura de cada um: perspectivas da psicanálise. Wak.

Miller, J. A. (2012). Scilicet: A ordem simbólica no século XXI não é o que costumava ser. Que consequências para a cura? [Scilicet: El orden simbólico en el siglo XXI ya no es lo que era. ¿Qué consecuencias tiene la curación?] École de la Cause freudienne.

Minayo, M. C. S. (1994). Pesquisa social: teoria, método e criatividade [Investigación social: teoría, método y creatividad]. Vozes.

Pereti, L. Z. (2011). O sujeito psicótico e sua posição em relação ao laço social: as contribuições de Jacques Lacan até o período do Seminário III - As Psicoses [El sujeto psicótico y su posición en relación con el lazo social: las aportaciones de Jacques Lacan hasta el período del Seminario III - Las psicosis] [dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo]. Repositório da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/16930

Porge, E. (2006). Jacques Lacan, um Psicanalista: percurso de um ensino [Jacques Lacan, un psicoanalista: el camino de una enseñanza]. Editora Universidade de Brasília.

Quinet, A. (2014). Psicose e laço social: Esquizofrenia, paranoia, melancolia [Psicosis y vínculo social: esquizofrenia, paranoia, melancolía]. Jorge Zahar.

Quinet, A. (2018). Teoria e clínica da psicose [Teoría y práctica clínica de la psicosis]. Forense Universitária.

Recalde, M. (2011). Nem igual nem excepcional: "ninguém é normal de perto" [Ni iguales ni excepcionales: "nadie es normal de cerca"]. In Associação da Fundação do Campo Freudiano (Orgs.), A saúde de todos, não sem a loucura de cada um: perspectivas da psicanálise. Wak Editora.

Rodrigues, A. C., Costa, C. A. R., Silva, M. E. A., & Silva, E. P. (2005). Psicanálise, saber e conhecimento [Psicoanálisis y conocimiento]. Revista do Departamento de Psicologia, 17(2), 199-108. https://doi.org/10.1590/S0104-80232005000200009

Safatle, V., Silva Junior, N., & Dunker. C. (2020). Patologias do social: Arqueologias do sofrimento psíquico [Patologías de lo social: Arqueologías del sufrimiento psicológico]. Autêntica.

Seldes, R. D. (2019). A urgência do assunto [La urgencia del asunto]. Colección Diva.

Silva, J. L. P., & Derzi, C. A. M. (2019). Dos manicômios aos serviços substitutivos: a possibilidade do laço social na psicose pelo discurso da psicanálise lacaniana [De los asilos a los servicios de sustitución: la posibilidad del lazo social en la psicosis a través del discurso del psicoanálisis lacaniano]. Pretextos, 4(8), 164-180. http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/18641

Tendlarz, S. E. (2007). O inclassificável [Lo inclasificable]. In A. Eisa (Org.), A variedade da prática: do tipo clínico ao caso único em psicanálise. Contracapa Livraria.

Voruz, V. (2009). Democracia digital. Latusa Digital, 38, 1-16.

Publicado

2022-01-07

Como Citar

Carneiro Bastos, M. C., & de Andrade Barros, R. (2022). Laço social como discurso na psicose: impasses e possibilidades . Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 11, e3850. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.2022.e3850

Edição

Seção

Estudos Teóricos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)