A Psicóloga no Contexto de Cuidados Paliativos: Principais Desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3835

Palavras-chave:

Cuidados Paliativos, Psicologia, Psicologia Hospitalar.

Resumo

INTRODUÇÃO: Devido aos avanços tecnológicos, a morte passou a ser vista pelos profissionais de saúde como um fracasso profissional. O campo de cuidados paliativos é recente e visa cuidar de pacientes de forma integral, promovendo a melhoria da qualidade de vida e o alívio da dor diante de uma doença que ameace a vida. O psicólogo se faz importante nessa equipe multiprofissional por acolher o sofrimento psíquico dos pacientes e familiares diante da morte e luto. OBJETIVO: Identificar os principais desafios percebidos por psicólogas(os) que atuam no contexto dos cuidados paliativos em Salvador/BA. MÉTODO: Trata-se de uma pesquisa descritiva de caráter qualitativo e corte transversal, que contou com a participação de 8 psicólogas. O instrumento utilizado foi um questionário online que constava de uma ficha de dados sociodemográficos e ocupacionais e questões abertas. Foi utilizada a análise de conteúdo de Bardin. RESULTADOS: Foi possível identificar quatro categorias: “comunicação e atuação com a equipe multiprofissional”, “atendimento à pacientes e familiares”, “condições de trabalho” e “falta de reconhecimento profissional” - sendo a primeira categoria a que obteve maior destaque. CONCLUSÃO: A psicologia hospitalar se trata de um campo recente e em consolidação, por isso, ainda é difícil o entendimento da equipe e gestão acerca da função da psicóloga. Dessa forma, é necessário uma melhor estruturação e comunicação em relação ao fazer deste profissional no contexto de cuidados paliativos, bem como maior preparo nos cursos de graduação e especialização para lidar com temas relacionados a finitude.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Academia Nacional de Cuidados Paliativos. (n.d.). O que são cuidados paliativos? https://paliativo.org.br/cuidados-paliativos/o-que-sao

Alves, R. F., Andrade, S. F. O., Melo, M. O., Cavalcante, K. B., & Angelim, R. M. (2015). Cuidados paliativos: desafios para cuidadores e profissionais de saúde. Fractal: revista de psicologia, 27(2), 165-176. https://doi.org/10.1590/1984-0292/943

Alves, R. S. F., Cunha, E. C. N., Santos, G. C., & Melo, M. O. (2019). Cuidados paliativos: alternativa para o cuidado essencial no fim da vida. Psicologia: Ciência e Profissão, 39, 1-15. https://doi.org/10.1590/1982-3703003185734

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo (4a ed.). Edições70.

Braz, M. S., & Franco, M. H. P. (2017). Profissionais paliativistas e suas contribuições na prevenção de luto complicado. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(1), 90-105. https://doi.org/10.1590/1982-3703001702016

Cardoso, D. H., Muniz, R. M., Schwartz, E., & Arrireira, I. C. O. (2013). Cuidados paliativos na assistência hospitalar: a vivência de uma equipe multiprofissional. Texto & Contexto Enfermagem, 22(4), 1134-41. https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000400032

Carvalho, R. T., & Parsons, H. A. (Orgs.). (2012). Manual de cuidados paliativos (2ª ed.). ANCP. http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/Manual-de-cuidados-paliativos-ANCP.pdf

Ferreira, M. C., & Mendes, A. M. B. (2008). Contexto de trabalho. In M. M. M. Siqueira, (Org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Artmed.

Fossi, L. B., & Guareschi, N. M. F. (2004). A psicologia hospitalar e as equipes multidisciplinares. Revista da SBPH, 7(1), 29-43. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582004000100004

Gomes, A. L. Z., & Othero, M. B. (2016). Cuidados paliativos. Estudos avançados, 30(88), 155-166. https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/124275

Hermes, H. R., & Lamarca, I. C. A. (2013). Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2577-2588. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900012

Lei n. 4.119, de 27 de agosto de 1962. (1962). Dispõe sobre os cursos de formação em psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L4119.htm

Lei n. 5.766, de 20 de dezembro de 1971. (1971). Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5766.htm

Lima Júnior, J., Alchieri, J. C., & Maia, E. M. C. (2009). Avaliação das condições de trabalho em hospitais de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. Revista da Escola de Enfermagem USP, 43(3), 670-676. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000300024

Maturana, A. P. P. M., & Do Valle, T. G. M. (2014). Estratégias de enfrentamento e situações estressoras de profissionais no ambiente hospitalar. Psicologia Hospitalar, 12(2), 2-23. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-74092014000200002

Organização Mundial de Saúde. (2002). Definition of palliative care [Definição de tratamento paliativo]. OMS. https://www.who.int/westernpacific/health-topics/palliative-care

Perboni, J. S., Zilli, F., & Oliveira, S. G. (2018). Profissionais de saúde e o processo de morte e morrer dos pacientes: uma revisão integrativa. Persona y bioética, 22(2), 288-302. http://www.scielo.org.co/pdf/pebi/v22n2/0123-3122-pebi-22-02-00288.pdf

Resolução n. 013, de 14 de dezembro de 2007. (2007). Institui a Consolidação das Resoluções relativas ao Título Profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre normas e procedimentos para seu registro. http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2008/08/Resolucao_CFP_nx_013-2007.pdf

Resolução n. 014, de 20 de dezembro de 2000. (2000). Institui o título profissional de Especialista em Psicologia e dispõe sobre normas e procedimentos para seu registro. https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2006/01/ resolucao2001_2.pdf

Resolução n. 02, de 10 de março de 2001. (2000). Altera e regulamenta a Resolução CFP no 014/00 que institui o título profissional de especialista em psicologia e o respectivo registro nos Conselhos Regionais. https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2006/01/resolucao2001_2.pdf

Resolução n. 1.973, de 1 de agosto de 2011. (2011). Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 1.845/2008, que celebra o convênio de reconhecimento de especialidades médicas firmado entre o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM). https://www3.semesp.org.br/portal/pdfs/juridico2011/Resolucoes/Res_CFM_1973_14.07_.pdf

Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. (2012). Incorpora, sob a ótica do indivíduo e das coletividades, referenciais da bioética, tais como, autonomia, não maleficência, beneficência, justiça e equidade, dentre outros, e visa a assegurar os direitos e deveres que dizem respeito aos participantes da pesquisa, à comunidade científica e ao Estado. http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Santos, A. F. J., Ferreira, E. A. L., & Guirro, U. B. P (Orgs.). (2020). Atlas de Cuidados Paliativos no Brasil 2019. Academia Nacional de Cuidados Paliativos. https://api-wordpress.paliativo.org.br/wp-content/uploads/2020/05/ATLAS_2019_final_compressed.pdf

Santos, T. F., & Pintarelli, V. L. (2019). Educação para o Processo do Morrer e da Morte pelos Estudantes de Medicina e Médicos Residentes. Revista Brasileira de Educação Médica, 43(2), 5-14. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n2RB20180058

Silva, R. P., Barbosa, S. C., Silva, S. S., & Patrício, D. F. (2015). Burnout e estratégias de enfrentamento em profissionais de enfermagem. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 67(1), 130-145. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672015000100010

Silveira, M. H., Ciampone, M. H. T., & Gutierrez, B. A. O. (2014). Percepção da equipe multiprofissional sobre cuidados paliativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 17(1), 7-16. https://doi.org/10.1590/S1809-98232014000100002

Downloads

Publicado

2021-10-04

Como Citar

Novis Edington, R., Villa Nova Aguiar, C., & Edington da Costa e Silva, E. (2021). A Psicóloga no Contexto de Cuidados Paliativos: Principais Desafios: . Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 10(3). https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3835

Edição

Seção

Artigos Originais