A cura em psicanálise: efeitos orgânicos e subjetivos de uma análise

Autores

  • Fernanda Sanches de Sousa Centro Universitário Filadélfia (Londrina). Paraná, Brasil. http://orcid.org/0000-0001-7773-0536
  • Marco Correa Leite Centro Universitário Filadélfia (Londrina). Paraná, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3809

Palavras-chave:

Psicanálise, Saúde mental, Tratamento, Eficácia

Resumo

INTRODUÇÃO: O presente artigo é fruto de uma revisão bibliográfica com o intuito de evidenciar os efeitos do tratamento psicanalítico, não apenas enquanto algo da ordem do reportado pelos pacientes, mas também enquanto algo que pode ser mensurado a partir de alterações bioquímicas verificadas durante e após o tratamento psicanalítico. OBJETIVOS: Verificar se a psicanálise pode ter seus efeitos cientificamente mensuráveis para além dos relatos dos pacientes e dos analistas e, em último caso, apontar para uma possível eficácia do tratamento com relação às psicopatologias contemporâneas. MÉTODO: Pesquisa bibliográfica sistemática de artigos científicos, publicados de 2008 até a presente data, que demonstravam os efeitos verificáveis de uma análise nos pacientes, sejam alterações funcionais ou bioquímicas. RESULTADOS: Foram encontradas inúmeras evidências dos efeitos de um trabalho psicanalítico no decorrer do tratamento, e também, após o término do mesmo. CONCLUSÃO: Com este estudo foi possível verificar que a psicanálise é efetiva para uma série de transtornos mentais e que pode ser o tratamento padrão ouro, quando respeitados os devidos cuidados com relação à formação dos analistas. Novas pesquisas devem ser realizadas, fazendo um comparativo mais amplo entre a psicanálise e outras modalidades no campo da saúde mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Sanches de Sousa, Centro Universitário Filadélfia (Londrina). Paraná, Brasil.

 

 

Referências

American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Artmed.

Bastos, R. F. (1997). Sobre o final de análise. In Revista Internacional: a clínica

lacaniana. Companhia de Freud.

Berghout, C. C., Zevalkink, J., & Roijen, L. H. (2010). A cost-utility analysis of psychoanalysis versus psychoanalytic psychotherapy [Um custo-utilidade análise da psicanálise versus psicoterapia psicanalítica]. International journal of technology assessment in health care, 26(1), 3-10. https://doi.org/10.1017/s0266462309990791

Busch, F. N., Milrod, B. L., & Sandberg, L. S. (2009). A Study

Demonstrating Efficacy of a Psychoanalytic Psychotherapy for Panic Disorder:

Implications for Psychoanalytic Research, Theory, and Practice [Demonstrando a eficácia de uma Psicoterapia Psicanalítica para o Distúrbio do Pânico: Implicações para a Pesquisa Psicanalítica, Teoria e Prática]. Journal of the American Psychoanalytic Association, 57(1), 131–148. https://dx.doi.org/10.1177%2F0003065108329677

Dolto, F. (2002). Tudo é Linguagem. Martins Fontes.

Dunker, C. (2021). Uma Biografia da Depressão. Planeta.

Fonagy, P., Rost, F., Carlyle, J., Mcpherson, S., Thomas,

R., Fearon, R. M. P., Goldberg, D., & Taylor, D. (2015). Pragmatic

randomized controlled trial of long-term psychoanalytic psychotherapy for

treatment-resistant depression: the Tavistock Adult Depression Study (TADS) [Pragmático ensaio controlado randomizado de psicoterapia psicanalítica de longo prazo para depressão resistente ao tratamento: o Estudo da Depressão Adulta Tavistock (TADS)]. World Psychiatry, 14(3), 312-21. https://doi.org/10.1002/wps.20267

Freud, S. (2017). Fundamentos da clínica psicanalítica. Autêntica. (Trabalhos originais publicados em 1905, 1912, 1914 e 1937)

Freud, S. (1916-1917/2014). Obras Completas (Vol. 13). Cia. das Letras

Huber, D., Zimmermann, J., Henrich, G., & Klug, G. (2012). Comparison

of cognitive-behaviour therapy with psychoanalytic and psychodynamic therapy

for depressed patients - A three-year follow-up study [Comparação de terapia cognitiva-comportamental com terapia psicanalítica e psicodinâmica

para pacientes deprimidos - Um estudo de acompanhamento de três anos]. Zeitschrift für Psychosomatische Medizin und Psychotherapie, 58, 299-316.

https://doi.org/10.13109/zptm.2012.58.3.299

Kennis, M., Gerritsen, L., Dalen, M. V., Williams, A., Cuijpers, P., &

Bockting, C. (2020). Prospective biomarkers of major depressive disorder: a

systematic review and meta-analysis [Biomarcadores prospectivos de grandes desordens depressivas: uma revisão sistemática e meta-análise]. Molecular Psychiatry, 25, 321–338 https://doi.org/10.1038/s41380-019-0585-z

Lacan, J. (1998). Escritos. Zahar. (Trabalhos originalmente publicados em 1953, 1957 e 1964)

Lacan, J. (2003). Outros escritos (V. Ribeiro, Trad.). Zahar. (Trabalho originalmente publicado em 1967)

Lacan, J. (1967/68). O ato psicanalítico: Seminário 1967-1968. Escola de Estudos

Psicanalíticos.

Lacan, J. (2007). O Seminário, livro 23: O Sinthoma.

Zahar. (Trabalho original publicado em 1975/1976)

Lehtonen, J, Tihonen, J, Joensuu, M. M. O, Lehto, S. M, Ahola, P. A,

Saarinen, P. I, Valkonen-Korhonen M, Tolmunem, T.m & Kuikka, J. T. (2012).

Toward molecular psychotherapy of depression? [Rumo a psicoterapia molecular da depressão]. In R. Levy, J. Alonso, H. Kãchele (Eds). Psychodynamic psychotherapy research: Evidence-based practice and practice-based evidence. Humana Press.

Leichsenring, F., & Rabung, S. (2008). The effectiveness of long-

termpsychodynamic psychotherapy: A meta-analysis [A eficácia da longa psicoterapia termpsicodinâmica: Uma meta-análise]. Journal of the American

Medical Association, 300(13), 1551–1565. https://doi.org/10.1001/jama.300.13.1551

Leichsenring, F., & Rabung, S. (2011). Long?term psychodynamic

psychotherapy in complex mental disorders: update of a meta?analysis [Psicodinâmica a longo prazo psicoterapia em distúrbios mentais complexos: atualização de uma meta-análise]. The British journal of psychiatry: the journal of mental science, 199(1), 15–22. https://doi.org/10.1192/bjp.bp.110.082776

Levy, R. A., Ablon, J. S., & Kächele, H (Eds.). (2012). Psychodynamic

psychotherapy research: Evidence-based practice and practice-based evidence.

Humana Press.

Nasio, J. D. (2017). Sim, a psicanálise cura (E. Aguiar, Trad.)

Zahar.

Perez, D. O. (2012). O Inconsciente: onde mora o desejo.

Civilização Brasileira.

Soler, C. (1995). Variáveis do fim da análise. Papirus.

Teixeira, A., & Caldas, H. (Orgs.). (2017). Psicopatologia lacaniana.

Autêntica.

Zbrun, M. (2014). A formação do analista. KBR.

Downloads

Publicado

2021-09-24

Como Citar

Sanches de Sousa, F., & Correa Leite, M. (2021). A cura em psicanálise: efeitos orgânicos e subjetivos de uma análise. Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 10(3). https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3809

Edição

Seção

Estudos Teóricos