Apoio Matricial e Saúde Mental: relato das potencialidades e desafios no fazer do NASF por uma psicóloga em uma Residência Multiprofissional em Saúde da Família

Autores

  • Nara Fróis De Oliveira Nogueira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Fundação Estatal de Saúde da Família
  • Cecília de Santana Mota Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Fundação Estatal de Saúde da Família. Salvador, Bahia, Brasil. csmota27@yahoo.com.br (ORCID 0000-0003-1174-9765).
  • Dhara Santana Teixeira Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Fundação Estatal de Saúde da Família. Salvador, Bahia, Brasil. dharateixeira@gmail.com (ORCID 0000-0002-9963-5617).

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3750

Palavras-chave:

Estratégia de Saúde da Família. Saúde Mental. Atenção Básica. Política de saúde.

Resumo

INTRODUÇÃO: Uma das principais ferramentas do NASF-AB é o Apoio Matricial (AM), sendo uma estratégia de organização do trabalho, buscando a integração de equipes de referência e equipe especializada. Por ser uma estratégia essencial para o desenvolvimento de um cuidado integral é que temáticas como a Saúde Mental têm sido incluídas nas ações desenvolvidas na AB. Nesse sentido, o apoio matricial em saúde mental deve propiciar que os profissionais de referência possam qualificar a produção de cuidado em SM. OBJETIVO: Refletir sobre as potencialidades e desafios vivenciados na prática de apoio matricial em saúde mental na AB a partir da experiência de uma psicóloga do NASF em uma Residência Multiprofissional em Saúde. METODOLOGIA: A prática descrita neste artigo refere-se a um estudo qualitativo, do tipo relato de experiência, onde buscou-se refletir sobre as atividades desenvolvidas ao longo do período de dois anos em uma Residência Multiprofissional em Saúde. Foram utilizados como fonte de dados escritos em portfólios e diários de campo da autora. RESULTADOS: Foram desenvolvidas ações que propiciaram a aproximação entre a equipe com as discussões relacionadas a Luta Antimanicomial, consultas compartilhadas e construção de PTS. Ao longo do processo de trabalho foi interessante perceber a apropriação dos profissionais na equipe de referência na condução das ações em saúde mental, demonstrando o papel essencial do AM para efetivar a clínica ampliada. CONCLUSÃO: O percurso traçado neste relato permite refletir sobre a importância de se estender e consolidar o cuidado em saúde mental na AB, promovendo mudanças importantes na lógica de atenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nara Fróis De Oliveira Nogueira, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Fundação Estatal de Saúde da Família

ORCID 0000-0002-7742-1108

Referências

Amaral, C. E. M., Torrenté, M. D. O. N. D., Torrenté, M. D., & Moreira, C. P. (2018) Apoio matricial em Saúde Mental na atenção básica: efeitos na compreensão e manejo por parte de agentes comunitários de saúde [Apoyo matricial en Salud Mental en atención primaria: efectos sobre la comprensión y el manejo por parte del personal sanitario comunitário]. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 22(66), 801-812. https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0473

Arrais, A. R, Araújo, T. C. C. F., & Schiavo, R. A. (2018). Fatores de Risco e Proteção Associados à Depressão Pós-Parto no Pré-Natal Psicológico [Factores de riesgo y protección asociados a la depresión posparto en la atención prenatal psicológica]. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(4), 711-729. https://doi.org/10.1590/1982-3703003342016

Campos, G. W. S., & Domitti, A. C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde [Matriz de apoyo y equipo de referencia: una metodología para gestionar el trabajo interdisciplinar en salud]. Cadernos de saúde pública, 23(2), 399-407. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007000200016

Campos G. W. S., Figueiredo M.D., Pereira Júnior N., & Castro C. P. (2014). A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada [La aplicación de la metodología Paideia en el apoyo institucional, el apoyo matricial y la clínica ampliada]. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 18(Supl 1), 983-95. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0324

Cela, M., & Oliveira, I. F. (2015). O psicólogo no Núcleo de Apoio à saúde da Família: articulação de saberes e ações [El psicólogo en el Centro de Apoyo a la Salud Familiar: articulación de conocimientos y acciones]. Estudos de Psicologia (Natal), 20(1). https://doi.org/10.5935/1678-4669.20150005

Cezar, P. K., Rodrigues, P. M., & Arpini, D. M. (2015). A Psicologia na Estratégia de Saúde da Família: Vivências da Residência Multiprofissional [La psicología en la estrategia de salud familiar: experiencias de residencia multiprofesional]. Psicologia: ciência e profissão, 35(1), 211-224. http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703000012014

Cunha, T. C. (2016). De que(m) temos medo? A produção social do medo como discurso de ordem [¿A qué(quién) tenemos miedo? La producción social del miedo como discurso del orden]. Revista Mythos. https://www.academia.edu/download/53397342/De_quem_temos_medo_-_Thiago_Colmenero_Cunha_-_revista_Mythos__maio2017.pdf

Dimenstein, M., Severo, A. K., Brito, M., Pimenta, A. L., Medeiros, V., & Bezerra, E. (2009). O apoio matricial em Unidades de Saúde da Família: experimentando inovações em saúde mental [Apoyo matricial en las Unidades de Salud Familiar: experimentando innovaciones en salud mental]. Saúde e sociedade, 18(1), 63-74. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000100007

Dimenstein, M., & Macedo, J. P. (2012). Formação em Psicologia: requisitos para atuação na atenção primária e psicossocial [Formación en Psicología: requisitos para trabajar en atención primaria y psicossocial]. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(SPE), 232-245. https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000500017

Figueiredo, M. D., & Campos, R. O. (2009). Saúde Mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? [La salud mental en la atención básica de salud en Campinas, SP: ¿una red o una maraña?]. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 129-138. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000100018

França, M. A. S. A., Spirandelli, A. C. M. A., & Verde, M. C. C. L. V. (2020). Uso de ferramentas de gestão na micropolítica do trabalho em saúde: um relato de experiência [Utilización de herramientas de gestión en la micropolítica del trabajo sanitario: informe de una experiência]. Saúde em Debate, 43(6), 138-146. https://doi.org/10.1590/0103-11042019S613

Hirdes, A. (2015). A perspectiva dos profissionais da Atenção Primária à Saúde sobre o apoio matricial em saúde mental [La perspectiva de los profesionales de Atención Primaria sobre el apoyo matricial en salud mental]. Ciência & Saúde Coletiva, 20(2), 371-382. https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.11122014

Hirdes, A., & Scarparo, H. B. K. (2015). O labirinto e o minotauro: saúde mental na Atenção Primária à Saúde [El laberinto y el minotauro: la salud mental en la Atención Primaria]. Ciência & Saúde Coletiva, 20(2), 383-393. https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.12642013

Hori, A. A., & Nascimento, A. F. (2014). O Projeto Terapêutico Singular e as práticas de saúde mental nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Guarulhos (SP), Brasil [El Proyecto Terapéutico Singular y las prácticas de salud mental en los Centros de Apoyo a la Salud Familiar (NASF) de Guarulhos (SP), Brasil]. Ciência & Saúde Coletiva, 19(8), 3561-3571. https://doi.org/10.1590/1413-81232014198.11412013

Iglesias, A., & Avellar, L. Z. (2016). As contribuições dos psicólogos para o matriciamento em saúde mental [Las contribuciones de los psicólogos al matriciamento de la salud mental]. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(2), 364-379. https://doi.org/10.1590/1982-3703001372014

Iglesias, A., & Avellar, L. Z. (2019). Matriciamento em Saúde Mental: práticas e concepções trazidas por equipes de referência, matriciadores e gestores [Matriciamento em Saúde Mental: prácticas y concepciones aportadas por equipos de referencia, matriciadores y gestores]. Ciência & Saúde Coletiva, 24(4), 1247-1254. https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.05362017

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa [Métodos de investigación]. Plageder.

Jorge, M. S. B., Diniz, A. M., Lima, L. L., & Penha, J. C. (2015). Apoio matricial, projeto terapêutico singular e produção do cuidado em saúde mental [Apoyo matricial, proyecto terapéutico singular y producción de cuidados en salud mental]. Texto & Contexto-Enfermagem, 24(1), 112-120. https://doi.org/10.1590/0104-07072015002430013

Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. (2005). Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nº s 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências [Establece el Programa Nacional de Inclusión Juvenil - ProJovem; crea el Consejo Nacional de la Juventud - CNJ y la Secretaría Nacional de la Juventud; modifica las Leyes nº 10.683, de 28 de mayo de 2003, y nº 10.429, de 24 de abril de 2002; y dicta otras disposiciones]. Diário Oficial da União. Ministério da Saúde. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11129.htm

Ministério da Saúde. (2003). Saúde mental e atenção básica: o vínculo e o diálogo necessários [Salud mental y atención primaria: el vínculo y el diálogo necesarios]. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas/departamento de atenção básica. Coordenação de Saúde Mental/Coordenação de Gestão de Atenção Básica. http://portal. saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/diretrizes.pdf

Ministério da Saúde. (2004). HumanizaSUS: equipe de referência e apoio matricial [HumanizaSUS: equipo de referencia y apoyo matricial]. Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Politica Nacional de Humanização. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/equipe_referencia.pdf

Ministério da Saúde. (2005). Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil [Reforma psiquiátrica y política de salud mental en Brasil]. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Relatorio15_anos_Caracas.pdf

Ministério da Saúde. (2009). Clínica ampliada e compartilhada [Clínica ampliada y compartida]. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf

Ministério da Saúde. (2010). Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família [Directrices de la NASF: Centro de apoyo a la salud familiar] (Série A. Normas e Manuais Técnicos, Caderno de Atenção Básica, n. 27). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_do_nasf_nucleo.pdf

Ministério da Saúde. (2014). Núcleo de Apoio à Saúde da Família – Volume 1: Ferramentas para a gestão e para o trabalho [Núcleo de Apoyo a la Salud de la Familia - Volumen 1: Herramientas para la gestión y el trabajo] (Cadernos de Atenção Básica, n. 39). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/nucleo_apoio_saude_familia_cab39.pdf

Nascimento, M. L., Manzini, J. M., & Bocco, F. (2006). Reinventando as práticas psi [Reinventar las prácticas psi]. Psicologia & Sociedade, 18(1), 15-20. https://doi.org/10.1590/S0102-71822006000100003

Passos, E., & Barros, R. B. (2000). A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade [La construcción del plan clínico y el concepto de transdisciplinariedad]. Psicologia: teoria e pesquisa, 16(1), 71-79. https://doi.org/10.1590/S0102-37722000000100010

Pedrosa, S. P. O. F., & Pereira, E. R. (2020). Coordenando grupos em sala de espera: analisando o processo [Coordinación de los grupos de la sala de espera: análisis del processo]. Revista da SPAGESP, 21(2), 66-82. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702020000200006&lng=pt&tlng=pt

Resolução nº 287, de 08 de outubro de 1998. (1998). Relaciona categorias profissionais de saúde de nível superior para fins de atuação do CNS [Enumera las categorías de profesionales sanitarios de nivel superior a efectos de la actuación del CNS]. Diário Oficial da União. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/1998/res0287_08_10_1998.html

Rossi, V. R. (2015). Medida de Segurança: a violação do direito à saúde a partir do conceito de periculosidade [Medida de seguridad: la vulneración del derecho a la salud desde el concepto de peligrosidad]. Cadernos Ibero-americanos de Direito Sanitário, 4(3), 75-93. https://doi.org/10.17566/ciads.v4i3.171

Silva, L. J. C. D. A., Araújo, A. C. V. D., Vasconcelos, N. L. D., Paiva, C. B. N., & Pires, C. A. (2019). A Contribuição do apoiador matricial na superação do modelo psiquiátrico tradicional [La contribución del partidario de la matriz en la superación del modelo psiquiátrico tradicional]. Psicologia em Estudo, 24, e44107. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v24i0.44107

Tófoli, L. F., & Fortes, S. (2007). Apoio matricial de saúde mental na atenção primária no município de Sobral, CE: o relato de uma experiência [Apoyo a la matriz de salud mental en la atención primaria en el municipio de Sobral, CE: el informe de una experiência]. SANARE-Revista de Políticas Públicas, 6(2), 34-42. https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/151/143

Publicado

2021-09-10

Como Citar

Nogueira, N. F. D. O., Mota, C. de S., & Teixeira, D. S. (2021). Apoio Matricial e Saúde Mental: relato das potencialidades e desafios no fazer do NASF por uma psicóloga em uma Residência Multiprofissional em Saúde da Família. Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 10(3), 455–468. https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3750

Edição

Seção

Relatos de Experiência