Código de ética em Psicologia e ética de inspiração fenomenológico-existencial: um diálogo atual e necessário

Autores

  • Danielle de Gois Santos Caldeira Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Natal). Rio Grande do Norte, Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0772-7942
  • Elza Maria do Socorro Dutra Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Natal). Rio Grande do Norte, Brasil.
  • Cíntia Guedes Bezerra Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Natal). Rio Grande do Norte, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3685

Palavras-chave:

Ética., Código de Ética, Fenomenologia Existencial, Psicologia.

Resumo

OBJETIVO: O presente artigo pretendeu construir reflexões sobre ética a partir do código de ética da Psicologia e uma ética fenomenológico-existencial, inspirada na Fenomenologia de Martin Heidegger, e em seus estudos sobre Ontologia. MÉTODO: O artigo insere-se na modalidade de pesquisa qualitativa, teórica, de natureza original, exploratória e descritiva, cujo método de investigação resgata na fenomenologia hermenêutica heideggeriana uma leitura compreensiva da ética a partir dos estudos de textos canónicos referentes ao tema da ética e dos códigos deontológicos que regulamentam e apoiam profissões, por exemplo, o código de ética da Psicologia. Possibilidades metodológicas de leitura compreensiva, assentes no método fenomenológico, ressaltam que o círculo hermenêutico heideggeriano não admite que condições prévias para descrição e compreensão dos fenômenos sejam claras e inalteráveis. Assim, as possibilidades metodológicas articulam conjuntamente componentes do círculo hermenêutico: posição prévia, visão prévia e concepção prévia no sentido de aproximar-se da provisoriedade do fenômeno da ética. DISCUSSÃO: Os objetivos deste estudo são demonstráveis no problema investigado: como são possíveis reflexões sobre a ética na Psicologia desde diálogos entre código de ética em Psicologia e uma ética fenomenológico-existencial? Assim, admitimos ética distinta de moral e problematizamos o modo usual como ética é resumida, na Psicologia, ao Código de ética, ampliando nossas reflexões quanto aos modos de sermos éticos, bem como, privilegiando aproximações ao fenômeno da ética. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Este trabalho aponta outros modos de refletir sobre a ética e contribui para a aproximação compreensiva da ética como tema a ser priorizado nas práticas da Psicologia, inclusive, aproximarmo-nos da ética do cotidiano das relações humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Angell, M. (2011, Agosto). A epidemia da doença mental. Revista Piauí. https://piaui.folha.uol.com.br/materia/a-epidemia-de-doenca-mental/

Amendola, M. (2014). História da construção do Código de Ética Profissional do Psicólogo. Estudos em Psicologia, 14(2), 660-685. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812014000200016&lng=pt&tlng=pt

Aristóteles. (2015). Ética a Nicómaco (5ª ed., A. C. Caeiro, Trad.). Quetzal. (Texto original publicado em 1852).

Arendt, H. (2004). Responsabilidade e julgamento. Companhia das Letras.

Azevedo, A. K. S. (2013). Não Há Você sem Mim: Histórias de Mulheres Sobreviventes de uma Tentativa de Homicídio [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte]. Repositório UFRN. https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17399.

Borges-Duarte, I. (2017). Mesura e desmesura em Heidegger. Studia Heideggeriana, 6, 65-102. http://hdl.handle.net/10174/22573.

Caldeira, D. G. S. (2019). A questão da ética na psicoterapia: contribuições da Fenomenologia Hermenêutica de Martin Heidegger [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte]. Repositório UFRN. https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/27358

Caldeira, D. G. S., & Dutra, E. M. S. (2018). Caminhos Possíveis entre Ética e a Psicoterapia fenomenológica existencial. PSI UNISC, 2 (2), 35-50. https://doi.org/10.17058/psiunisc.v2i2.11770

Caldeira, D. G. S., & Dutra, E. M. S. (2021). Atualizações fenomenológico-hermenêuticas do cuidado para um corresponder ético. In E. M. S. Dutra & A. A. Maux (Orgs.), Pesquisa em psicologia fenomenológico-existencial: interpretações do sofrimento na contemporaneidade II. CRV.

Conselho Federal de Psicologia. (2005). Código de Ética Profissional do Psicólogo. https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf

Cortina, A. (2003). El quehacer público de la ética aplicada: ética cívica transnacional [El quehacer público de la ética aplicada: ética cívica transnacional]. In A. Cortina & D. García-Marzá. Razón pública y éticas aplicadas. Los caminos de la razón práctica en una sociedad pluralista. Tecnos.

Cortina, A. (2004). Ética sin moral [Ética sem moral]. Tecnos. (Texto original publicado em 1990).

Cortina, A., & Martinéz, E. (2005). Ética (S. C. Leite, Trad.). Loyola.

Dutra, E. M. S., & Maux, A. A. (Orgs.). (2017). Pesquisa em psicologia fenomenológico-existencial: interpretações do sofrimento na contemporaneidade. CRV.

Frankl, V. E. (1985). Em busca de sentido (W. Schlupp, Trad.). Vozes.

Freire, P. (2013). Pedagogia do Oprimido. Paz e Terra. (Texto original publicado em 1972)

Giacóia Junior, O. (1999). Hans Jonas: Por que a técnica moderna é um objeto para a ética. Natureza Humanam 1(2), 407-420. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-24301999000200007

Gilligan, C. (1993). In a different voice: Psycological theory and women's development [Em uma voz diferente: A teoria psicológica e o desenvolvimento da mulher]. Harvard University Press. (Texto original publicado em 1982).

Heidegger, M. (1979). Sendas Perdidas (3ª ed., J. R. Armengol, Trad.). Losada.

Heidegger, M. (2007). Heidegger. Ensaios e conferências (E. C. Leão, G. Fogel & M. S. C. Schuback, Trads.). Vozes. (Texto original publicado em 1953).

Heidegger, M. (2009). Seminário de Zollikon (G. Arnold, & M. F. A. Prado, Trads.). Vozes. (Texto original publicado em 1987)

Heidegger, M. (2012). Ser e tempo. (F. Castilho, Trad.). Vozes/ Unicamp. (Texto original publicado em 1927).

Jesus Junior, A. G., Bighetti, C. A, Freitas, F. A, Oswaldo, Y. C., & Noronha, A. P. P. (2007). Avaliação psicológica e ética: um estudo com universitários. Universitas: Ciências da Saúde, 5, 1/2, 61-74. https://doi.org/10.5102/ucs.v5i1.267

Jonas, H. (2006). O Princípio Responsabilidade: ensaio de uma ética para uma civilização tecnológica (M. Lisboa & L. B. Montez, Trads.). Contraponto. (Texto original publicado em 1979)

Kant, I. (2014). Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Textos Filosóficos. (Texto original publicado em 1785).

Kohlberg, L. (1992). Psicología del desarrollo moral [Psicologia do desenvolvimento moral]. Desclée de Brouwer. (Texto original publicado em 1981)

Mattar, C. M. (2017). Prefácio. In R. N. Sá. Para além da técnica: ensaios fenomenológicos sobre psicoterapia, atenção e cuidado (pp. 7-10). Via Verita.

Maux, A. A. B., & Dutra, E. M. S. (2020). Pensando o Círculo Hermenêutico como um Caminho para a Pesquisa em Psicologia. Estudos & Pesquisas em Psicologia, 20(4), 1034-1048. https://doi.org/10.12957/epp.2020.56649

Muniz, M. (2018). Ética na Avaliação Psicológica: Velhas Questões, Novas Reflexões. Psicologia: Ciência e Profissão, 38 (spe), 133-146. https://doi.org/10.1590/1982-3703000209682

Organização das Nações Unidas. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. UNICEF. https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos

Piaget, J. (1994). O Juízo Moral na Criança. Summus. (Texto original publicado em 1932).

Sá, M. T. (2016). Psicologia, psicanálise e formação em educação: Reflexões sobre uma ética do olhar, quando se trata de pensar o humano. In V. Cláudio (Org.). Psicologia e Ética: O primado do humano (pp. 1, 165-176). Fim de Século.

Singer, P. (2017). Ética no mundo real: 82 breves ensaios sobre coisas realmente importantes. Edições 70.

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Caldeira, D. de G. S., Dutra, E. M. do S., & Bezerra, C. G. (2021). Código de ética em Psicologia e ética de inspiração fenomenológico-existencial: um diálogo atual e necessário . Revista Psicologia, Diversidade E Saúde, 10(3). https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v10i3.3685

Edição

Seção

Estudos Teóricos