Impacto das orientações de higiene bucal usando o IHOS em pessoas com síndrome de Down

Autores

  • Mariana Soares Figueiredo Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brasil
  • Bruno João Polla Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brasil
  • Éllen Maria Matos de Andrade Instituto Superior de Educação de Caxias - ISEC
  • Daniela Nunes Nogueira Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brazil
  • Neusa Barros Dantas-Neta Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brazil

DOI:

https://doi.org/10.17267/2596-3368dentistry.v9i4.2117

Palavras-chave:

Síndrome de Down. Placa dentária. Escovação dentária.

Resumo

INTRODUÇÃO: Os indivíduos com síndrome de Down (SD) tendem a apresentar baixos níveis de higiene bucal, com presença de gengivite e acúmulo de biofilme dental. OBJETIVO: Avaliar o índice de higiene bucal após palestra educativa sobre orientação de higiene bucal em indivíduos com Síndrome de Down e determinar a experiência de cárie. MÉTODOS E MATERIAIS: Trata-se de um estudo transversal, realizado em uma Associação de Pais e Amigos Teresina-PI, composto por 28 indivíduos com SD. O projeto de pesquisa foi aprovado pelo Comitê de Ética da FACID sob parecer 44289214.1.0000.5211. Os responsáveis pelos participantes assinaram termo de consentimento livre e esclarecido e responderam um questionário semiestruturado. O exame clínico foi realizado por único examinador, o qual avaliou o Índice de higiene oral simplificado (IHOS) em dois momentos, tempo 1 e 15 dias após e experiência de cárie (índice CPO-D). Realizou-se análise descritiva dos dados e Teste Exato de Fisher, considerando significativo valores de p<0,05. RESULTADOS: 57,7% dos participantes eram do gênero masculino, 15,4% tomavam medicamentos de uso contínuo e 19,2 usavam fio dental. A média de CPO-D foi 3,15 (±2,29). Houve aumento na quantidade de pessoas consideradas com IPV bom após 15 dias de orientação de higiene bucal (p=0,003). A presença de sangramento após a escovação diminuiu 19,2% após os 15 dias da apresentação da palestra educativa. CONCLUSÃO: As orientações de higiene bucal foram efetivas para reduzir o nível de placa dental nesses indivíduos e a maioria possuía experiência com cárie.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Soares Figueiredo, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brasil

Cirurgiã-dentista graduada no curso de Odontologia, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brasil

Bruno João Polla, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brasil

Cirurgião-dentista graduada no curso de Odontologia, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brasil

Daniela Nunes Nogueira, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brazil

Professora de Odontopediatra do curso de Odontologia, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brazil

Neusa Barros Dantas-Neta, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brazil

Professora de Odontopediatra do curso de Odontologia, Faculdade Integral Diferencial – Facid|Wyden, Teresina, PI, Brazil

Downloads

Publicado

2018-12-18

Como Citar

Figueiredo, M. S., Polla, B. J., Matos de Andrade, Éllen M., Nogueira, D. N., & Dantas-Neta, N. B. (2018). Impacto das orientações de higiene bucal usando o IHOS em pessoas com síndrome de Down. Journal of Dentistry &amp; Public Health (inactive / Archive Only), 9(4), 295–303. https://doi.org/10.17267/2596-3368dentistry.v9i4.2117

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)