Reflexões psicanalíticas a respeito do vínculo materno na constituição do sujeito

Ana Alice Fugimoto Saruwatari, Vera Lucia Gaviglia, Camila de Araujo Antonio

Resumo


O presente trabalho possui por objetivo refletir acerca dos elementos que se apresentam no desenvolvimento do sujeito, caracterizando as relações parentais e sua implicação na formação do sujeito. Trata-se de um estudo de revisão de literatura com recortes teóricos psicanalíticos realizados por meio de livros e de textos clássicos da psicanálise, objetivando responder como as relações parentais, em especial o vínculo materno, contribuem para a constituição do sujeito e analisar a relevância de tal vínculo para diagnóstico e a prática clínica psicanalítica. O método empregado neste trabalho foi a pesquisa bibliográfica tendo como vertente a teoria psicanalítica, a qual norteou o trabalho. Os principais autores usados foram Sigmund Freud, Donald Winnicott e Julieta Jerunsalinsky. Este estudo se tornou relevante, pois discorre sobre a dinâmica envolvida na constituição do sujeito relacionando o desenvolvimento com as funções parentais.  Na prática clínica é possível realizar a escuta dos significantes que constituem o sujeito ao longo do desenvolvimento e como consequência proporcionar a ressignificação dos conflitos decorrentes.


Palavras-chave


psicanálise; desenvolvimento; sujeito

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v7i3.2021

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Ana Alice Fugimoto Saruwatari, Vera Lucia Gaviglia, Camila de Araujo Antonio

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Psicologia, Diversidade e Saúde | ISSN: 2317-3394

Site atualizado em 13/12/2018

Licença Creative Commons