[1]
I. Maso, “Confiabilidade e validade concorrente da escala de mobilidade hospitalar em pacientes após acidente vascular cerebral”, Rev Pesq Fisio, vol. 10, nº 3, p. 505–511, ago. 2020.