Qualidade de vida e funcionalidade nos pacientes com desordens do manguito rotador

Ricardo de Almeida Albuquerque, Martha Moreira Cavalcante Castro, Marcos Antonio Almeida Matos, Carla Hilario da Cunha Daltro

Resumo


OBJETIVO: Verificar se existe correlação entre os domínios da qualidade de vida e a funcionalidade nos pacientes com desordens do manguito rotador. MÉTODO: Estudo do tipo transversal com 109 pacientes avaliados entre outubro 2013 e fevereiro 2014. Para avaliar a qualidade de vida foi utilizado o questionário WORC, e as escalas UCLA e ASES para avaliação da funcionalidade. RESULTADO: Amostra de 73 mulheres e 36 homens (média de idade: 52,3 anos+12,8). O ombro avaliado foi o direito em 63 pacientes (57,8%). O WORC apresentou correlação positiva alta com as escalas UCLA (r= 0,73) e ASES (r= 0,77). Ao analisar o WORC verificou-se correlação mais forte com a UCLA no domínio “Trabalho” (r= 0,74), e menor no domínio “Esporte/Recreação” (r= 0,67). Quando comparado o WORC com a ASES identificou-se a maior correlação com o domínio “Trabalho” (r= 0,79) e menor correlação com o domínio “Emoções” (r= 0,64). CONCLUSÃO: Alterações na funcionalidade, frequentes nestas desordens, impactam na qualidade de vida em especial no domínio “Trabalho”.

Palavras-chave


Manguito rotador. Qualidade de vida. Questionários. Escalas funcionais.

Texto completo:

PDF PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v9i1.2259

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Ricardo de Almeida Albuquerque, Martha Moreira Cavalcante Castro, Marcos Antonio Almeida Matos, Carla Hilario da Cunha Daltro

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

A RPF foi indexada e/ou catalogada nas seguintes bases de dados:

                                                  

 

Revista Pesquisa em Fisioterapia | ISSN: 2238-2704

Site atualizado em 28/02/2018

Licença Creative Commons